202009271656

mostrar mensagem ]

AVISO DE PRIVACIDADE

A proteção dos seus dados pessoais é importante para nós. Adotamos as melhores técnicas para deixar esse site seguro. Estamos atualizando nossa política de privacidade e termos de uso do site. Em breve, ela estará aqui para você saber o que fazemos com os dados pessoais que coletamos e como protegemos suas informações.

ocultar ]

mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Veja mais

E aí ansiedade, como vai?

Ana Cristina Alves Lima

Falar de ansiedade é falar de futuro, mas exatamente nesse ano de 2020 como falar de futuro com os acontecimentos presentes?

Não podíamos imaginar como seria 2020, mas em março, com o anúncio da pandemia, o mundo começou a se transformar de um jeito nunca visto antes. Lógico que a humanidade já passou por outras pandemias e doenças que se alastraram pelo mundo, mas, em pleno século XXI, era inconcebível pensar que um vírus poderia alterar tantas coisas: rotina, relações com as pessoas, com o trabalho, com a educação e, principalmente, com nossas certezas.

Como mencionei anteriormente, falar de ansiedade é falar de futuro, porque a ansiedade comum, aquela que todos sentimos, é um estado de humor orientado para o futuro, caracterizado por uma apreensão, pois não somos capazes de prever ou controlar os eventos que estão por vir, como se disséssemos: "algo pode dar errado e não sei se terei capacidade para lidar com isso, mas tenho que estar preparado".

E esse sentimento, sensação, é o que mais está presente neste momento. Não temos controle sobre o que está por vir, não temos prazos e vacina, e assim temos sobrevivido a esse 2020.

Todos temos medos e geralmente sabemos o porquê. O medo nos protege, desde muito pequenos, de nos colocarmos em riscos. Mas, e quando o risco não é visível aos olhos, não é palpável? Muitas pessoas ainda não acreditam na doença e nas consequências dela para a saúde.

A ansiedade é um mecanismo de defesa do nosso corpo e faz parte do funcionamento normal da fisiologia dos homens e dos animais, tanto a ansiedade quanto o medo podem ser bons, protegendo-nos ou nos preparando para reações de luta ou fuga. Por outro lado, também podem ser ruins se exagerados, interferindo no desempenho físico e intelectual.

E, nesse momento, nessa nova realidade de isolamento e de quarentena, nossos medos anteriores a esse momento vêm à tona e ganham visibilidade, que não teriam em outros momentos. Por isso, tantos sintomas e sensibilidade emocional.

Somos ensinados, "criados" para não sentirmos medo. A vencê-los, mas como enfrentá-los nessa nova realidade?

Nunca os cuidados com os aspectos psicológicos foram tão importantes como agora. Cuidar-se para ficar bem em casa, protegendo-se do externo e também lidando com o que está acontecendo em nosso interior.

O medo ativa nosso organismo para reações diante do perigo e, uma vez que a situação que gerou esse medo ou ansiedade desaparece, os sintomas também deveriam desaparecer. Mas, e quando os perigos permanecem?

A sensação de estarmos em perigo tem se prolongado, por isso tantas queixas de ansiedade e de questões relacionadas aos transtornos psíquicos.

Não sabemos quando tudo vai realmente "voltar ao normal", mas, o importante nesse momento, é acolher-se com suas angústias, medos, ansiedades e pensar na oportunidade de olhar para si, de rever conceitos, e formas de se relacionar com a vida e com os outros.

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /cop/artigos/e-ai-ansiedade-como-vai/