Ageuniara

Exposição sobre arte rupestre chega em Araraquara

Por: BRUNA CRISTINA BORTOLOTI ALVES

20/05/2015

No mundo todo, muito se fala sobre os registros rupestres e sua existência como forma de expressão de povos que viveram há muito tempo atrás. Mas essa realidade pode não estar tão distante de nós, e afirmar isso é o principal objetivo da mostra “Expressões: o Homem, a Arte e o Tempo”, que está em exposição no  Museu de Arqueologia e Paleontologia de Araraquara (MAPA).

Como uma forma de se comunicarem, os povos indígenas pré-coloniais utilizavam-se de pinturas e gravuras em rochas. Em cartazes espalhados pela exposição, estão contidas várias explicações sobre essa questão, destacando que não é apenas artística, mas também arqueológica, como uma forma de registros deixados sobre os homens do passado. Segundo as informações contidas nesses painéis, no Brasil também existem diversos registros rupestres, inclusive na região interiorana de São Paulo.

Segundo a coordenadora dos Museus de Araraquara, Virgínia Degobbi, a exposição tem como objetivo contar um pouco para as pessoas o que é a arte rupestre e seu válido testemunho da passagem do homem pelo Estado de São Paulo. "Esses povos chamados 'primitivos' tem todo um conceito de estética, forma, valores que foram passados através dessa arte". Ela ainda destaca que não se deve pensar apenas em outras regiões do país quando se trata deste assunto. "Às vezes, quando se fala em arte rupestre, as pessoas remontam-se ao Nordeste, lugares distantes do nosso cotidiano e não é assim, pois temos aqui na nossa região e, num contexto maior, em toda região da capital paulista, indícios artísticos como esse", afirma.

Quando questionada sobre a presença dos araraquarenses no quesito artístico, a gerente diz que só não vai aos espaços culturais oferecidos pela cidade quem não quer. "Temos uma excelente programação cultural aqui, tanto em âmbito municipal quanto estadual, então, só não tem acesso à esse conteúdo quem não se interessa, pois a diversidade é grande e muito divulgada", explica.

Ainda sobre a exposição, Virgínia afirma que essa possui uma vertente didática, lúdica e um grande teor de conhecimento: "O jeito como ela foi concebida, de forma ambientalizada, remontando as cavernas habitadas pelos primitivos e o painel interativo que nos permite ver no mapa onde encontram-se as pinturas rupestres, fazem com que a pessoa interaja com a exposição, não sendo apenas expectadora", conclui ela.

A mostra vai até o dia 5 de setembro e encontra-se no MAPA, que fica localizado na Rua Voluntários da Pátria, 1485. Com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura e da FUNDART, a exposição é uma realização da Fundação Araporã. Os horários de funcionamento são: às segundas e terças-feiras, das 13h às 17h30; de terça à sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 17h30; e, aos sábados, das 9 às 12h. Para mais informações, entre em contato pelo telefone (16)3332-4933.

Publicada em 20/5/2015 às 19h30.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/