Ageuniara

Araraquarenses recorrem à tecnologia na luta contra o crime

Por: DAIANE CRISTINA DE SOUZA BOMBARDA

25/06/2014

Celulares se tornaram um dos principais objetos de desejos, e devido aos seus altos valores de custo, não despertam apenas a atenção dos fãs de tecnologia, como também dos criminosos que ficam atentos no que você carrega nos bolsos.

Somente nos quatro primeiros meses de 2014, cerca de 47 celulares foram furtados ou roubados em Araraquara(SP),segundo informações da Polícia Civil, e na maioria dos casos, a vítima nem mesmo percebeu a ação dos criminosos.

O empresário João Ambrósio, de 28 anos, passou por essa situação dentro do seu próprio estabelecimento comercial. “Foi tudo muito rápido. Fui carregar algumas mercadorias e, quando voltei, meus dois aparelhos que havia deixado em cima da mesa já não estavam mais”, relata.

Após o episódio, o jovem teve que utilizar por oito meses aqueles celulares antigos, mais conhecidos como quebra-galhos, que realizam e recebem chamadas e, no máximo, enviam um SMS. Carentes de tanta tecnologia, costumam não atrair os criminosos.

Porém, a mesma tecnologia também costuma barrar muitos criminosos. É que graças a algumas ferramentas e aplicativos de rastreamento e localização, disponíveis para os smartphones, o proprietário tem total controle das atividades desempenhadas pelo seu dispositivo, até mesmo à distância.

Na maioria dos celulares, a função já vem instalada ou, se não, pode ser adquirida em forma de aplicativos, que estão cada vez mais se popularizando pelos usuários.“O meu celular já vem com o rastreador. Percebo que essa utilidade dá a sensação de segurança ao mesmo tempo em que cria um receio por parte dos criminosos, que tem o conhecimento de que, ao furtarem ou roubarem um aparelho com essa função, podem ser rapidamente localizados”, explica Ambrósio.

O manuseio dessas ferramentas é praticamente automático. Basta instalar um dos diversos aplicativos disponíveis no mercado e, com a localização do GPS ativa, o proprietário encontra seu celular em qualquer local, até mesmo perdido entre as cobertas.

Segundo o Capitão da Polícia Militar (PM) de Araraquara Fábio Ricardo Ferreira, as pessoas podem tomar algumas atitudes que podem evitar esse tipo de crime. “A orientação é que as pessoas evitem ‘ostentar’ o seu pertence. Como, por exemplo, não ficar expondo seus aparelhos e, sempre que for fazer alguma chamada em público, ficar atento e procurar locais apartados, próximos a paredes para que realize o uso sempre de costas a elas”, diz o Capitão.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/