202101191526

mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Penitenciária tem condições precárias de trabalho

Por: ANDREIA CRISTINA BENITE

28/05/2003

As condições de trabalho dos Agentes de Segurança Penitenciária em Araraquara(SP) são precárias, como nos demais presídios do Estado de São Paulo e de todo o país.

Inaugurada em 1977, a Penitenciária possui quatro pavilhões, mais o pavilhão hospitalar, o disciplinar e o de inclusão.

Na Penitenciária de Araraquara os agentes encontram muita dificuldade em realizar seu trabalho, pois o presídio está superlotado com quase 100% a mais que sua capacidade, que é de 500 presos.

Os agentes têm contato direto com os presos e não trabalham armados.As inspeções ocorrem com freqüência, e também por denúncias.

Hoje o presídio possui 285 funcionários, alguns com até 25 anos de serviço, mas a penitenciária foi projetada para operar com 430 funcionários. O salário dos funcionários é insuficiente para que possa garantir sua proteção fora do presídio, bem como a de sua família.

Nos dias de visita, a penitenciária chega a receber 550 visitantes. Com superlotação e falta de funcionários fica quase impossível o controle do presídio nesses dias.

Segundo João Batista Pancioni, presidente do Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo(SIFUSPESP), a categoria reivindica junto ao governo do Estado melhores salários, plano de carreira, acompanhamento psicológico, cursos preparatórios e de reciclagem, redução da carga horária de 40 horas semanais. É comum os agentes ficarem de plantão 14 horas seguidas em contato direto com os presos.

"As reivindicações estão protocoladas junto ao governo do Estado; resta ao Sindicato organizar manifestações ou até paralisações para garantir seus direitos", diz.

Segundo o funcionário Alcindo Figueiredo Filho, que trabalha há 25 anos na Penitenciária, o trabalho era bom até os anos de 1981 e 1982; agora é muito cansativo, o medo é constante e o salário é insuficiente.

“A insegurança é grande e o estresse é constante. Mesmo trabalhando 12 por 36 horas, você precisa estar sempre de olho, atento, pois há grande medo de se tonar um refém. Você está o tempo todo na ponta de uma faca, pois para o preso tanto faz”, comenta Figueiredo.

Para Yoshio Kimura, recentemente aposentado, que trabalhou 26 anos na Penitenciária, o funcionário precisa estar preparado psicologicamente, apoio que quase não é fornecido pelo governo.

“Durante o tempo em que você está lá dentro, precisa esquecer que tem família, pois você nunca sabe se vai voltar para casa. As brigas são constantes e o estresse é muito grande”.

Aparecido Ferreira que trabalha no pavilhão hospitalar, declara serem péssimas as condições de trabalho. "É horrível, estressante, há necessidade de melhor divisão entre presos perigosos e os galinhas (que comentem pequenos furtos}, entre os doentes com tuberculose, aids e com outros tipos de doença.

Segundo o Diretor Geral da Penitenciária de Araraquara, Jorge Aparecido Bento de Camargo, a função do presídio é de disciplinar e reabilitar os presos, para devolvê-los à sociedade. "A direção não se posiciona a respeito desse assunto, pois sua função é apenas administrar o presídio, acatando as ordens do governo do Estado", diz Camargo.

Para Camargo há perigo em todo lugar, e todas as profissões necessitam de melhorias. Ainda segundo o diretor, a penitenciária está estável, pois não há registro de qualquer acontecimento grave há três anos.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/

Saiba o que fazemos com os dados pessoais que coletamos e como protegemos suas informações. Utilizamos cookies essenciais e analíticos de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

ENTENDI