202101160509

mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Tráfico de drogas e violência preocupam polícia de Araraquara

Por: ARIANE CABRERA PADOVANI

20/05/2003

O tráfico de drogas e o aumento em casos de violência estão entre as principais preocupações da Polícia de Araraquara (SP).

Desde 1998 a violência na cidade, tem crescido de um modo assustador. Araraquara ocupa o 46º lugar no ranking dos municípios mais violentos do Estado.

Os roubos e furtos são os que mais preocupam a polícia e amedrontam cada vez mais os moradores.

Números da polícia revelam que chegam a cinco o número de assaltos por dia. De 1996 até hoje a violência na cidade teve um aumento de 184%.

Os índices de roubos e furtos chegam a ser iguais aos da Grande São Paulo.Homicídios dolosos e estrupos estão ocorrendo mais que na Capital e a maioria de todos esses casos tem envolvimento com o tráfico de drogas.

Segundo informações da polícia, os homicídios dolosos tiveram um aumento de 44,44% entre 2002 e 2003 para cada 100 mil habitantes e 50% dos casos estão relacionados ao uso de drogas, na maioria deles sendo por algum acerto de contas entre os próprios usuários.

“O tráfico está quase sempre relacionado e as pessoas envolvidas quase sempre têm passagens pela polícia, seja a que morreu ou a que matou”, diz o Delegado Gerson Guido Mattioli da DISE ( Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes )

Segundo ele, a DISE consegue deter os traficantes e os usuários por meio de investigações."Verificamos a movimentação das pessoas e efetuamos a detenção, mesmo que não seja em flagrante”, completou o delegado.

O Delegado Seccional de Araraquara, Walmir Eduardo Granucci, confirmou que o número de pessoas abrangidas pela Polícia Civil gira em média de 500 mil. “A apreensão de drogas realmente é o que mais é registrado pela Polícia.”

De 2002 para 2003, os casos de furtos tiveram um aumento de 29,57%, os de roubo 2,88% e os de furto de veículos 1,59%.Somente os casos de roubos de veículos foram os que tiveram uma queda -30,0%.

No ano passado, a cidade registrou 47 assassinatos, neste ano, em apenas quatro meses e meio foram registrados 22 casos.

Apesar desse crescimento, a Coordenadoria de Apoio Técnico (CAT), considera os padrões atuais “aceitáveis” para a cidade.

“A cidade tem um índice de 18,8 casos por 100 mil habitantes, um número bem abaixo da condição mediana do Estado que é 24,6.” diz Mattioli.

Segundo a polícia, os principais alvos dos assaltantes na cidade tem sido as padarias, os postos de gasolina, supermercados e lojas de pequeno porte e mais uma vez as ocorrências estão relacionadas ao uso de drogas.

“A localização de Araraquara favorece o tráfico de drogas e o perfil da maioria desses assaltantes e usuários é o mesmo: são jovens e não trabalham”, completou Mattioli.

A Penitenciária da cidade também anda causando problemas.Em 15 de setembrode 2002 a Secretaria da Administração divulgou que a Penitenciária estaria abrigando 927 detentos apesar de sua capacidade ser para abrigar 500.

Esse número não pára de aumentar, pois a cada dia novos presos são condenados e abrigados na Penitenciária.

As tentativas de fugas são incessantes. No início desse mês de Maio seis presos conseguiram fugir.

No início de abril, o Governador de SP, Geraldo Alckmin passou pela cidade e afirmou que a Penitenciária de Araraquara terá bloqueador de telefone, mesmo não sendo de segurança máxima.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/

Saiba o que fazemos com os dados pessoais que coletamos e como protegemos suas informações. Utilizamos cookies essenciais e analíticos de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

ENTENDI