[ mostrar mensagem ]

COMUNICADO

A Rádio Uniara FM 100,1 está temporariamente fora do ar para ajustes técnicos.

Em breve, toda a programação da rádio estará normalizada. Agradecemos a compreensão de todos os nossos ouvintes

Cordialmente,

Universidade de Araraquara - Uniara

[ ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Nova geração de equipamentos médicos diminui o custo dos exames

Por: MAYNA DELLE DONE NÉO

09/06/2010

Aparelhos médicos desenvolvidos em São Carlos prometem auxiliar o diagnóstico de doenças e ainda diminuir os gastos médico hospitalares.

A fabricação de qualquer aparelho eletrônico é complexa e demanda a utilização de diversos materiais, de diferentes origens, composições e propriedades.

Esse processo encarece o preço final do aparelho e acaba refletindo o alto custo na população: ou os hospitais públicos não possuem recursos para adquirir esses equipamentos, ou os hospitais particulares cobram caro para a realização dos exames.

Mas essa é uma realidade que pode estar no fim. Pelo menos é o que apontam pesquisas desenvolvidas na USP de São Carlos. Dois aparelhos para diagnósticos, um desenvolvido pelo Instituto de Física (IFSC) e outro pelo Instituto de Química (IQSC), prometem auxiliar no diagnóstico de doenças e ainda diminuir os gastos médico hospitalares.

Um aparelho capaz de detectar doenças pela voz, criado por alunos de Física, promove o diagnóstico eficaz e seguro de doenças a partir da simples pronúncia de uma vogal.

De acordo com o pesquisador Paulo Roberto Scalassara, um dos criadores do equpamento, o aparelho é capaz de diagnosticar nódulos nas pregas vocais e o edema de Reinke, uma espécie de inflamação das pregas vocais que provoca o seu inchaço.

“O próximo passo é englobar no sistema outras quatro patologias: pólipo, carcinoma da laringe, mal de Parkinson e tremor essencial, um distúrbio neurológico semelhante ao Parkinson”.

O custo de produção de cada aparelho pode ser considerado alto, explica Scalassara, mas os benefícios trazidos e a relação custo/benefício compensam o investimento.

“Um detector, atualmente, custa cerca de R$ 6 mil. Mas a vida útil do aparelho é longa, além dele ser reutilizável e de manutenção barata, pois seus componentes internos não são complexos”, explica o pesquisador.

Outro aparelho, desenvolvido no Instituto de Química da Universidade, também promete ser uma revolução na análise de doenças em pessoas de baixa renda e, principalmente, em programas assistenciais.

Trata-se de uma tira de papel que contém compostos químicos capazes de apontar se existe alteração na composição da urina. “Se a urina apresenta elementos como proteínas, significa que o sistema de filtragem do sangue não está funcionando direito”, afirma Emanuel Carrilho, professor do Instituto.

Essa técnica tem como objetivo diagnosticar, de forma rápida e eficaz, possíveis problemas em populações carentes. Isso porque seu custo é baixo e o resultado é quase imediato: em meia hora, a tira de papel apresenta mudança na coloração, apontando se há, ou não, algum problema com a pessoa.

“O custo de produção de cada uma dessas tiras é, em média, de R$ 0,60. Por isso, seu preço final será baixo, o que facilitaria ao governo utilizar em programas de assistência social, principalmente em comunidades indígenas”, explica Carrilho.

Os primeiros teste serão feitos em julho, quando uma equipe de pesquisadores sairá de São Carlos para diagnosticar doenças nas comunidades ribeirinhas do Amazonas.

Tecnologia fora do alcance

Outra descoberta que tem agitado os pesquisadores na USP foi feita pela Escola de Engenharia (EESC): um sistema que permite atividades motoras para tetraplégicos.

Revolucionário, o equipamento permite que o paciente alcance objetos distantes do corpo e mexa os membros superiores através de comandos vocais, que são interpretados por um computador que estimula os músculos do membro a movimentarem-se.

“Esse sistema é pioneiro no país e pode auxiliar, e muito, no cotidiano de pessoas com alguma deficiência motora ou sequela física”, explica Renato Varoto, pesquisador da EESC.

“Contudo, esse sistema ainda está fora do alcance da população. O protótipo foi testado com sucesso, mas ainda carece de melhorias e, principalmente, precisa ser barateado”, aponta.

Não há previsão de lançamento do protótipo. As primeiras unidades ainda serão testadas nos próximos dois anos. A previsão de lançamento comercial do aparelho é para depois de 2014.

Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/