Ageuniara

Mulheres lutam por espaço no mercado de trabalho

Por: ANGELICA REGINA GONCALVES

01/10/2004

A consultora em Recursos Humanos, Raquel Queirós, de Sâo Paulo(SP), informou, esta semana, que as mulheres tendem a construir suas carreiras, de forma diferente dos homens. As mulhere preferem etapa por etapa, enquanto os homens planejam suas carreiras a longo prazo.

“Apesar de grandes conquistas femininas, ainda existe discriminação por conta de algumas empresas que preferem contratar homens em vez de uma mulher, é uma cultura machista”, completa a consultora.

A presença da mulher, no mercado de trabalho, apresenta mudanças e permanências,pois elas adquiriram maior nível de escolaridade comparado aos homens. Ampliaram sua presença em ocupações de prestígio, que antes eram exclusivamente masculinas.

De acordo com Maria Luiza Cestari, gerente administrativa, as desigualdades salariais entre os sexos são nítidas, pois seu salário é muito abaixo do que seria pago a um homem que exerce a mesma função.

“Mesmo com essa diferença salarial o que mais me incomoda é a falta de respeito. Consegui este cargo não por causa de um rostinho bonitinho, mas pela minha competência e dedicação”, diz Maria Luiza.

O aumento da participação feminina no mercado de trabalho tem como base fatores como: maior nível de escolaridade comparado aos homens, queda da fecundidade e inserção na sociedade brasileira em diferentes ambientes.

Adriana Cristina Januncio cuidava somente da casa e do marido, mas tinha vontade de trabalhar e como não conseguia emprego decidiu abrir uma loja de roupas e acessórios.

Hoje, sua renda é maior que a de seu marido e conseguiu concretizar parte de seus sonhos e seu projeto é expandir sua loja cada vez mais.

“A mulher deve ter responsabilidade, força de vontade, persistência e bom humor para encarar os desafios”, diz Adriana.

A empresa IESA Projetos, Equipamentos e Montagens, de Araraquara(SP), prefere mulheres para alguns serviços na área de fabricação de peças, por serem mais cuidadosas e gerar menos transtornos.

“As soldadoras são muito mais cuidadosas e montam peças com menos defeitos”, diz Mateus Bertolazzi, engenheiro de produção.

Segundo Raquel, aos poucos a mulher começa a mostrar que tem tanta capacidade quanto o homem, através de sua competência, criatividade e maneira de encarar as dificuldades e desafios.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/