202101221156

mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Cosplay ganha força na região

Por: SÉRGIO GABRIEL CALERA

14/10/2015

Em 1939 surgia o termo Cosplay, que é “brincar de se fantasiar ou caracterizar”, a junção das palavras costume e roleplay (Costume Play). A modalidade ganhou força quando chegou ao Japão nos anos 80. No Brasil, o Cosplay ficou mais popular na década de 90. Este hobby costuma ser praticado em eventos que reúnem todos os fãs deste universo, onde existem concursos e premiações para o melhor candidato.

De acordo com o site Jedirio ( www.jedirio.com.br), o Brasil possui uma grande quantidade de eventos e se destaca por ter muitos campeões e vice-campeões na WCS, que é a maior competição elaborada pela Editora JBC, onde ocorre uma competição entre os melhores do país, previamente selecionados em seus estados, com a decisão de quem viaja ao Japão para a final mundial de Cosplay.

Os Cosplayers são os praticantes desta arte, que se transformam e buscam a interpretação fiel de um personagem, utilizando diversas técnicas para compor a caracterização. Vários são os motivos que levam as pessoas a se interessar por Cosplay.

Exemplos não faltam na região de Araraquara(SP). Diversos Cosplayers entrevistados, que preferem não revelar o sobrenome, destacam o interesse por essa modalidade. Segundo o casal de Otakus, termo usado para designar os fãs de Animes e Mangás, Daniel O. e Isabeli D. O, de 29 anos, a possibilidade de se tornar, por pelo menos alguns instantes, um personagem que eles admiram é o que mais exalta a vontade de se caracterizar. Daniel revela que o seu primeiro Cosplay Oficial foi a Saya Otonashi, personagem do Mangá Blood Plus, e Isabeli estreou caracterizada de Naruto, no Anime Friends 2008, ambos consideraram a experiência muito boa.

Outro Cosplayer, Wesley S. F, de 32 anos, disse que já foi criticado por seu personagem não estar de acordo com o original, mas acredita que qualquer julgamento é válido. “Nem sempre o veredicto é de validade, mas sempre se aprende sobre o julgador, seja este sábio pelo seu veredito, ou apenas infeliz no seu dizer”, afirma.

Já Heliquene de O. S., de 23 anos, explica que quando era mais novo ficava muito dentro de casa, mas quando cresceu e tornou-se professor percebeu que muitos outros adolescentes também passavam pelo mesmo problema. “Vi uma oportunidade de levá-los a um lugar totalmente diferente que muitos nunca haviam visto ou ouvido falar, deu muito certo, então passei a fazer caravanas todos os anos para eventos de Cosplay. Nos eventos podemos nos libertar de uma sociedade preconceituosa, incorporamos personagens fictícios que muitas outras pessoas também gostam e nos tornamos uma atração, como famosos por um dia”, relata.

Psicóloga analisa Cosplay

Quando questionada sobre os pontos positivos e negativos de as pessoas se inspirarem em celebridades ou personagens da ficção, a psicóloga, Camila Mendes Prado,  explica que procurar outras pessoas para se inspirar ou apenas se fantasiar como seus artistas favoritos, é um movimento natural e saudável, em que se pode construir nossa própria personalidade, mas querer ser igual ao ídolo ou personagem deixa de ser saudável e começa a prejudicar a vida do jovem. "Esta idolatria pode impedir que algumas pessoas realizem outras tarefas rotineiras e, infelizmente, pode gerar problemas. Os ícones não vivem preocupados com a interpretação que cada ato pode ter para seu fã. Desta forma, qualquer deslize pode gerar um movimento de não aceitação do próprio corpo ou outros comportamentos que trazem efeitos negativos”.

A psicóloga ainda esclarece o porquê do ser humano ser facilmente influenciado e se preocupar demais com as opiniões de outras pessoas. "O olhar do outro é necessário para reconhecer a si próprio durante toda a vida. Além disso, o ser humano é um ser gregário, vive em grupos, por isso é muito importante a aprovação e afirmação para fazer parte da comunidade. No entanto, quanto menor sua confiança em si mesmo maior é a influência que essas opiniões vão exercer na vida destas pessoas, pela insegurança e medo de reprovação", finaliza.

Publicada em 14/10/2015 às 19h25.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/

Saiba o que fazemos com os dados pessoais que coletamos e como protegemos suas informações. Utilizamos cookies essenciais e analíticos de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

ENTENDI