Ageuniara

Alunos recriam peça "O erro da troca" baseado em obra de Willian Skakespeare

Por: GABRIEL SANTANA CONCEIçAO

20/08/2014

Jovens recriam peça baseada em obra de William Skakespeare, em Araraquara (SP), levando público a se deliciar pela comédia “O erro da troca” repleta de encantos e com temas atuais sendo abordados em um roteiro inteligente e criativo, o qual foi apresentado na ultima terça no SESI da cidade.

A televisão e o cinema ficam de lado, quando a questão é peça de teatro.  Muitos pais levaram seus filhos para apreciar  a peça “O erro da troca”, com direção de Bruck Oliver.

Trata-se de uma peça teatral bem elaborada, na qual o elenco também se destaca pela criação do próprio roteiro e da produção. Muito antes de iniciar toda a apresentação no palco, elenco e diretor buscam definir personagem e soltar a imaginação para ser entregue ao público uma obra de forma grandiosa e cômica. .

Para a estudante Jéssica Cervan, de 20 anos, que  desde os seis anos de idade, tinha como brincadeira preferida a atuação com seus primos, viu o sonho se tornar realidade quando ingressou nas aulas de teatro da Casa da Cultura em Araraquara. Já atuando em sua terceira peça de teatro, a qual dá vida a uma empregada fofoqueira que interage com a plateia e com um sotaque bem nordestino. A estudante se mostra sempre realizada e satisfeita com o sucesso de seu trabalho.

Segundo ela, a melhor parte é ter o agradecimento do público: "Sinto que nosso objetivo sempre é alcançado, consigo divertir as pessoas. Elas riram do começo ao fim, e ficaram impressionadas ao verem que fomos nós os alunos que produzimos o espetáculo inteiro", relata Jéssica.

Fazer o público rir se torna mais desafiador para a aluna, que não tem medo do que vem pela frente e já garante que após o termino da peça, o pensamento se torna a próxima produção a ser realizada. A palavra disciplina é o que ela leva para a vida cada vez que sobe ao palco.

O pedagogo e professor de artes cênicas Bruck Oliver de 29 anos, de Araraquara, que leciona há oito anos em aulas de arte, diz que  na adolescência pegou gosto pela arte, realizando vários cursos oferecidos pela cidade.Ele tem como paixão o teatro que representa em sua vida uma evolução em todos os sentidos.

Diretor da peça "O erro da troca", Oliver relata a exigência maior  sobre os alunos, que vai além do roteiro a produção. Deixando para trás a visão que o ator deve apenas decorar o texto e encenar os passos e falas no roteiro criado. Presenciando de fato uma mudança de estética entre o teatro atual e o de antigamente, com uma liberdade maior em torno da diversidade dos temas abordados nas peças.

Ele explica que a exigência é fundamental para os alunos buscarem seus limites, com meta de desafiá-los, pois é desta forma que a arte funciona, transformando cada um. A recompensa final a cada peça é ouvir de um aluno quando se inicia a próxima produção. " Ver a animação deles de dever cumprido, me faz realizado,saber que eles querem sempre mais, isso me impulsiona” relata Oliver.

O teatro não sobrevive apenas de felicidade e, nos dias de hoje, é necessário que tenha um apoio de instituições públicas e privadas que incentivem a arte para os jovens.Muitos deixam as ruas para se dedicar as artes, conhecer novos mundos e viver novas experiências de vida, o apoio da família deve ser fundamental, para que  sejam retirados  muitas vezes das drogas e levados a cultura que se tem por direito.“Para ser ator e preciso mais que talento é preciso dedicação empenho e vocação”. explica Oliver.

Ainda segundo Oliver, a peça “O erro da troca”, que dirige, é uma comédia diferente, na qual o encontro e reencontro de quatro irmãs que geram conflitos e confusões. 

A peça deve ser apreciada de forma única e inusitada, boas risadas estão garantidas em quase uma hora e meia de espetáculo, com personagens carismáticos que roubam a cena, e temas atuais que se espelham na sociedade. Muito bem elaborada por jovens que têm um longo caminho de sucesso a trilhar.

A interação com o público, com direito a pipoca e boas risadas torna a pela de fato um grande avanço para os jovens de Araraquara que buscam na arte uma forma de muitas vezes aliviar os problemas.

A peça que deixou a público com gosto de querer mais,  se despediu com aplausos ecoados pelos quatro cantos  da sala do SESI com gosto de uma boa noite de risadas cômicas e bem criadas.

A Peça

"O erro da troca" conta a história de Egeu, um mercador da cidade de Siracusa, que vai para a cidade de Éfeso atrás do resto de sua família, a qual perdeu em um naufrágio. Separado de sua esposa, Egeu fica apenas com uma de suas duas filhas (Antífola), uma de suas duas criadas (Drômia) e acaba sendo condenado a morte devido à inimizade entre as duas cidades, Éfeso e Siracusa, que não permitem tráfego entre elas. 

O que Egeu não sabe é que sua filha Antífola e sua criada Drômia também foram para Éfeso com o mesmo objetivo que ele. Quando as duas chegam na cidade, são confundidas por todos os moradores pelo fato de serem idênticas e terem o mesmo nome de suas irmãs procuradas que vivem lá. Elas também começam a se confundir entre si, fato que irá gerar ainda mais confusão. 

Direção: Bruck Oliver

Roteiro: Bia Maria, Francielle Roquetti, Inara Santos e Jéssica Cervan

Elenco: Aline Gisele, Ana Luiza Vila Verde Brunelli, Bella Maria, Bia Maria, Francielle Roquetti, Gustavo Henrique Silva, Janaina Sicari, Jéssica Cervan, João Pedro Ferreira, Juliana Basso, Lais Carolina, Lais Fernanda, Laura Cristtine, Leandro Sakai, Paulo Henrique e Vitória Lima.

Fonte: Divulgação da peça.

(Publicado em 20/8/2014 - 20h33)

 



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/