Ageuniara

Matonense é selecionado para fase estadual do Mapa Cultural Paulista

Por: CÁSSIO LEONARDO CARRARA

14/09/2010

O jornalista e fotógrafo matonense, Rogério Bordignon, foi um dos selecionados para a fase estadual do Mapa Cultural Paulista entre as cinco melhores artes fotográficas, englobada na área de artes visuais que contém outras duas modalidades: artes plásticas e desenhos de humor.

“Minhas três fotografias do conjunto Chove Lava foram premiadas na fase estadual. Não é selecionada uma ou outra das três fotografias, mas todo o conjunto”, explica Bordignon.“São fotografias com impacto visual incisivo e suave ao mesmo tempo. Há expressão, proposta, novidade. Intitulei Chove Lava I, II e III as três fotos, captadas com equipamentos adequados na simplicidade sequente e gravitacional de um poste com luz que ilumina; de fios; e da enxurrada, em duas noites, uma em janeiro (dia 25) e outra em fevereiro (dia 13) de 2009",diz.

Segundo ele,a opção pelas altas temperaturas da imagem (escala em Kelvin, recurso da máquina Nikon D300) aguçou diferentes leituras do conjunto. "O tom aquecido com pronunciamentos agudos das cores amarela, laranja e vermelho, podem levar a lembranças bíblicas de Sodoma e Gomorra (cai fogo e enxofre do céu), a lava vulcânica, a uma chuva que destrói, desabriga e até mata, a lembrança de que a água pode virar sangue. Pode ser uma mensagem ambientalista, ou seja, preserve, respeite a natureza; deixe as matas ciliares em seus lugares, não exceda seus limites, para que o céu não destine sangue ou lava”, completa.

O projeto Mapa Cultural Paulista, criado em 1995, é realizado pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo em parceria com as prefeituras e outras entidades.

Desenvolvido pela Abaçaí Cultura e Arte, tem como principal objetivo criar uma vitrine cultural, para identificar, ressaltar e divulgar a produção artística do interior paulista, nas áreas de teatro, dança, canto coral, vídeo, literatura, artes visuais e música instrumental e é aberto a todos os municípios do Estado de São Paulo.

No total, 146 obras de 65 artistas de todo o Estado de São Paulo foram selecionadas para a exposição no Espaço Funarte, que ocorreu entre os dias 17 e 25 de julho.

Além da exposição na capital paulista, há um catálogo do Mapa Cultural Paulista que reúne as obras destacadas e as outras obras dos representantes regionais.

Em termos de desenvolvimento e difusão das artes, o Mapa Cultural Paulista é fundamental para a descoberta de novos talentos.

De acordo com Bordignon, o Estado de São Paulo é o único da nação que desenvolve um festival como o Mapa Cultural Paulista. "Se outros Estados do Brasil fizessem o mesmo, poderia haver uma junção nacional da arte expoente que acontece nesse país. O intercâmbio, o saber o que acontece por aí, fora da minha aldeia, é muito importante”,salienta.

Obra e Influências

Nascido em Matão (SP), em 13/5/1972, Rogério Bordignon se formou jornalista pela Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP) em 1994, e está no exercício da profissão desde março de 1995. Como fotógrafo, participou de quatro edições do Mapa Cultural Paulista e em duas delas, foi até a fase regional.

Na edição de 2005-2006, disputou a fase final, recebendo "Menção" com fotos em preto e branco, oriundas da exposição “Há Vida".

“Sobre referências anteriores, gosto muito de fotografia em preto e branco. Dos grandes nomes que já me tocaram, destaco Sebastião Salgado e Henry Cartier-Bresson. Existem muitas fotografias, de muitos artistas, já vistas e admiradas por mim”, destaca Bordignon.

Para este trabalho premiado, ele afirma não ter se inspirado em outros artistas e descreve sua criação como um “encontro”. “Vi a cena e percebi previamente que conseguiria fotos lindas. Com equipamentos apropriados, fiz as fotos, em duas noites chuvosas”.

A partir deste trabalho, “Chove Lava”, Bordignon desenvolve desde 2009 o trabalho “Chuva e Noite”, que deverá estar finalizado em 2012 ou 2013.

Com relação ao uso de softwares de edição de imagens, Bordignon afirma “que não há absolutamente nada de software nas fotos. São fotografias puras e simples, sem manipulações. Não sou artista plástico, nem tenho domínios de instrumentos de software. Respeito a criatividade, a técnica, a interatividade e uma ou outra arte que surge de fusões, mas para mim, fotografia é fotografia e arte plástica é arte plástica”.

Processo de seleção

Para participar do Mapa Cultural Paulista, o artista deve, primeiramente, fazer sua inscrição na fase municipal. Nesta etapa, os trabalhos serão avaliados por três jurados designados pelos organizadores. Se as obras forem classificadas, a próxima etapa é a fase regional, na qual uma nova seleção é feita por outros três jurados.

As fases municipal e regional acontecem num ano (exemplo, 2009) e, se obtiver êxito, o artista se classifica para a fase estadual, que acontece no ano seguinte (exemplo, 2010).

Nesta fase, representantes das 13 regiões administrativas do Estado de São Paulo têm seus reconhecimentos artísticos em sete modalidades, sendo que os melhores trabalhos ganham destaque e recebem um valor em dinheiro considerado “estímulo”.

“Convido todos a participarem das diferentes modalidades do Mapa Cultural Paulista. Mostrem seus conteúdos. Não se preocupem em vencer, em ser competitivamente melhores. Produzam, expressem-se, evoluam. Eu continuarei nesse caminho”, convida Bordignon.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/