202101230601

mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Fonoaudióloga alerta para os perigos do som alto

Por: ERIKA CRISTINA PEREIRA DA SILVA

16/03/2010

O mau uso de equipamentos eletrônicos como MP3, MP4, Ipod, celulares, em geral, quando usados com fones de ouvidos com som muito alto podem causar problemas auditivos. Esses aparelhos quando ligados com ruídos acima de 80 decibéis podem prejudicar a audição.

Mas,o que muitas pessoas não sabem é que o uso abusivo do fone de ouvido pode causar lesões auditivas e até surdez. As lesões no ouvido interno podem ocorrer após exposições constantes provocadas por meses ou até anos.

Antigamente os problemas auditivos eram vistos apenas como pesadelo para os idosos mas, hoje em dia, com os avanços dos equipamentos eletrônicos, esse problema tem como principal alvo os jovens e adultos.

No decorrer do dia-a-dia estamos expostos a vários tipos de poluição sonora, seja som de carro alto, buzinas e, ainda, facilitamos com o uso de fones de ouvido. É fácil encontrar jovens nas ruas, nos ônibus, em casa, ou até mesmo na escola, com fones de ouvido, seja escutando musica ou ouvindo áudio-livro.

Jullian Thomazo, de 24 anos, tem hábitos de jogar com freqüência no computador e fica, no máximo, quatro horas por dia com fones de ouvido em altura considerada alta.Ele diz nunca ter tido problemas com a audição."Uma vez senti um pequeno zumbido, mas logo passou", conta ele.

A potência dos aparelhos portáteis de música pode chegar a 120 decibéis, o equivalente a uma britadeira. São dois os motivos que fazem esses aparelhos se tornarem arriscados para seus usuários: o primeiro é a capacidade de memória, a durabilidade das baterias, permitindo assim o uso por horas seguidas; o segundo é o designer dos fones, criados para serem postos dentro do ouvido, diferentes dos modelos mais antigos que cobriam toda a orelha. Os fones que são usados dentro do ouvido são prejudiciais porque potencializam o som.

O analista de sistemas,Vladirmir Perche, de 32 anos, não passa mais de um hora por dia com fone de ouvido. Ele toma cuidado para não deixar o aparelho de MP3 com volume muito alto, mas explica que nem sempre é possível."Há momentos, por exemplo, em minha caminhada,que o fato de estar na rua,quando passa um caminhão ou mesmo um ônibus do lado, aumento o volume só pra ouvir no momento, mas depois já abaixo", afirma ele consciente dos problemas causados por som alto.

Segundo a fonoaudióloga, Maira Botta,de São Carlos(SP)“quando a fonte sonora é externa, há uma perda de energia vibratória no caminho entre ela e a orelha, já com o fone dentro da orelha a energia não se dispersa”.

Segundo ela, sendo assim, abusos levam à degeneração das células sensoriais localizadas na cóclea (estrutura mais interna do ouvido), que transformam a energia vibratória em estímulo elétrico e o transmitem ao cérebro. "Controlar o tempo de exposição ao fone de ouvido e resistir à tentação de usar toda a potência do volume são cuidados recomendados para proteger a audição", afirma Maira.

A diminuição da audição produz uma redução na percepção de sons e dificulta a compreensão das palavras. "A dificuldade aumenta com o grau de perda auditiva, que pode ser leve, moderada, severa e profunda",observa.

A audiometria e a imitanciometria são os testes audiológicos básicos que formam o perfil audiológico, primeiro procedimento para a avaliação clínica das alterações da audição."A audiometria é realizada por um fonoaudiólogo ou otorrinolaringologista. Nesse processo o paciente, fica no interior de uma cabine, recebe estímulos acústicos por meio de fones de ouvido, o resultado é expresso em um audiograma, que é um gráfico que revela as capacidades auditivas do paciente",explica.

Para a fonoaudióloga,a principal medida contra a perda auditiva é a preventiva. "Nos tempos atuais, é grande o nível de poluição sonora, desde a infância com brinquedos com altíssimos valores de decibéis, passando pela baladas dos jovens, atingindo os adultos com fábricas geradoras de estresse e muitos ruídos. Mesmo que a perda auditiva não seja reversível, a maioria dos casos devido à idade ou ao ruído pode ser gerenciada e freqüentemente compensada",comenta.

"Às vezes, isso significa submeter-se à medicação ou cirurgia. Mas, assim como os óculos são usados para corrigir a maioria dos problemas de visão, os aparelhos auditivos são usados para atender a maioria dos tipos de perda auditiva, qualquer tipo de tratamento começa com uma avaliação por um profissional da audição, depois que você conhece a natureza e a extensão da perda auditiva, estará pronto para tomar suas próprias decisões sobre o tratamento junto com seu profissional da audição", finaliza Maira.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/

Saiba o que fazemos com os dados pessoais que coletamos e como protegemos suas informações. Utilizamos cookies essenciais e analíticos de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

ENTENDI