Ageuniara

Pesquisas utilizam macroinvertebrados para avaliar poluentes aquáticos

Por: NATIA FERNANDA DOS REIS

23/10/2009

Pesquisas recentes da Universidade Federal de São Carlos e de outras Universidades têm demonstrado eficiência ao usarem macroinvertebrados como bioindicadores na avaliação da qualidade da água.

Fazem parte dos macroinvertebrados grupos como crustáceos (caranguejos), moluscos (ostras), anelídeos (minhoca) e insetos (libélulas), sendo este último grupo o mais diversificado e abundante.

Juliano José Corbi, professor de Zoologia da Uniara e pesquisador do departamento de Hidrobiologia - Laboratório de Entomologia Aquática da Universidade Federal de São Carlos, considera os macroinvertebrados aquáticos uma boa ferramenta para avaliar a água. "Eles tendem a se fixar em um local e a maioria são bem sensíveis a alterações na água. Quanto mais organismos desaparecerem devido à poluição, sabemos que naquela região há problemas, por isso são considerados bioindicadores", esclarece Corbi.

A pesquisa foi realizada nos córregos Água Sumida, São João, Bela Vista, Andes, Ouro, Chibarro, Água Preta, São Vicente, Paiol, Cruzes, Anhumas, Espraiado, Fazzari e Monjolinho, 14 córregos da região de São Carlos e Araraquara.

Corbi informa que os córregos mais degradados são Água Sumida, Bela Vista, Andes, Ouro, Paiol, Cruzes, São João, Água Preta, São Vicente e Anhumas. As principais causas da diminuição dos macroinvertebrados nessa região se devem à ausência de mata ciliar, leito do córrego totalmente exposto, plantação de cana-de-açúcar e presença de pastagem a poucos metros da margem dos córregos.

Para Cassio Arilso de Andrade, biólogo e mestre em engenharia ambiental, a forma de avaliar a qualidade da água com os macroinvertebrados é positiva. Ele explica que outro meio para avaliar a qualidade seria por análise química, porém com os macroinvertebrados a avaliação se torna mais interessante pelo fato de não usar produto químico e sim os seres vivos do próprio córrego descobrindo os efeitos que estão prejudicando a água.

Com a análise química só é possível examinar a água, verificando se ela está contaminada. Com os macroinvertebrados analisa-se o tipo de poluição que gerou o desaparecimento dos bioindicadores.

A engenheira florestal da Coordenadoria do Meio Ambiente de São Carlos, Ana Paula Castral, informou que o serviço de recuperação dos córregos é realizado pela Secretaria de Serviços Públicos. Nesse serviço empregam máquinas para dragagem dos leitos e roçadeiras nas encostas dos córregos.

Para amenizar o problema da poluição aquática, que se alastra com facilidade, o professor Corbi propõe algumas ações, como reflorestamento de matas ciliares e manter as plantações longe da margem dos córregos.

Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/