Ageuniara

Cooperativa que coleta recicláveis também sofre com a crise

Por: EDUARDO SOTTO MAYOR DA SILVA

24/03/2009

Há um ano e meio, 100% da cidade de Araraquara conta com a opção da coleta seletiva do lixo reciclável, que é feita em parceria da Prefeitura com a Cooperativa Acácia. A Cooperativa já fazia esse trabalho há quatro anos, sem o apoio de nenhum orgão público, em 25% da cidade.

A população não é obrigada a separar o material reciclável, mas, segundo Helena Francisco da Silva, presidente da cooperativa, a grande maioria dos moradores separa o material. “Eu não tenho dados exatos de quanto da população participa dessa iniciativa, mas a quantidade de material que chega até nós, através dos coletores, supera 200 toneladas por mês, e isso nos leva a crer que a maioria da população separa o reciclável do lixo orgânico”.

A cooperativa conta com seis caminhões que são acompanhados por grupos que fazem a coleta em toda cidade. O material então é levado para a central que localiza-se na Avenida Estrada de Ferro Araraquara, nº 4900, no bairro Vila Cidade Indutrial, em Araraquara, e lá é feita a separação e a prensagem.

O próximo passa são as vendas, o que vêm sendo motivo de reclamação para todos os participantes da cooperativa já que perante a crise, segundo Helena, o preço dos recicláves caiu 50% ou mais. “Está muito difícil essa situação, principalmente pela falta de dinheiro e porque vemos que o governo está apenas se preocupando com as grandes empresas, os grandes bancos, e esquecendo dos menores, que somos nós, mas não menos importantes”, lamenta Helena.

Manifestaçõs estão sendo feitas em todo o País para chamar a atenção para a classe. A última aconteceu em Belo Horizonte, na semana passada. Apesar do dificil momento, os lucros da cooperativa continuam sendo divididos em partes iguais.

Segundo a Prefeitura, o município contribui financeiramente com a Acácia, de acordo com o estabelecido num convênio assinado há um ano e meio. Além disso, a Acácia conta com outras formas de apoio, inclusive do Governo Federal.

Alheia à queda no preço dos reciclados, a população continua separando os materiais recicláveis. A moradora do bairro Jardim Arangá, Fatima de Paula, 51 anos, contribui com a coleta e considera importante separar o material reciclável.

Mas o projeto não mobiliza alguns moradores que insistem em não separar o lixo. Uma moradora do Jardim Nova América, que prefere não se identificar, atribui à "vida corrida da família" o fato de não separar o lixo da casa. "Mas fico com a consciência tranquila, pois sei que no aterro existem coletores que fazem a separação”.

A presidente da Acácia, Helena Francisco da Silva, não confirma a existência de catadores atuando no aterro sanitário, mas enfatiza a importância da separação dos recicláveis e da entrega aos coletores, mesmo os avulsos. Além dos grupos que percorrem as casas, existem 140 postos de arrecadação espalhados pela cidade.

A Cooperativa Acácia promove palestras periodicamente, para alertar a população sobre a importância do reaproveitamento dos materiais recicláveis. O telefone para mais informações é (16) 3337-4569.

Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/