202101251632

mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Fazendas preservam a memória de São Carlos

Por: ANDRÉ LUIS DOS SANTOS

21/06/2006

São Carlos (SP), além de ser conhecida pelos destaques tecnológicos,destaca-se pelo seu lado histórico, devido às antigas fazendas de café da região que foram formadas entre 1831 e 1858.

Foram fazendas de café pioneiras, marcando o início da primeira atividade econômica de maior expressão em São Carlos e que hoje se confunde com a história da cidade.

A lavoura cafeeira chegou em 1840 e se espalhou por todas as terras férteis do município, tornando-se o principal produto de exportação.

Hoje as fazendas Pinhal, Santa Maria, Vale do Quilombo e São Joaquim, oferecem grandes riquezas em informações históricas e culturais, vasto acervo bibliográfico, além de diversos objetos e conjuntos arquitetônicos que complementam e marcam a história do café no Brasil.

Construída em 1831, a fazenda Pinhal foi fundada por Carlos José Botelho, o Botelhão e é referência à cultura em São Carlos por ter sido a primeira fazenda da região que iniciou a primeira plantação de café, no final da década.

Botelhão teve a pedra taipa de pilão e pau-a-pique como base para as obras na propriedade.

Seu filho, Antonio Carlos de Arruda Botelho, então futuro Conde do Pinhal, ampliou a casa que hoje ocupa 62 alqueires e é composta pela casa grande, terreiros, tulha, pomar, senzalas, pastos, plantações,dois ribeirões e mata nativa.

A fazenda mantinha os padrões típicos da época, necessários para atender as atividades produtivas e por isso, mantiveram salões sem divisórias e sem janelas, escravos vivendo nas senzalas e homens negros vivendo separados das mulheres e das crianças. Até hoje os móveis, fotografias e quadros da época do Império são mantidos na sede.

Outra importante fazenda é a Santa Maria, que foi fundada em 1858 pela família do Major José Ignácio e está localizada em terras que pertenciam à Sesmaria do Pinhal.

Coube de herança a Teodoro Leite de Camargo, que em 1884, deslumbrado com o ambiente da Corte, iniciou a construção de sua sede buscando o topo da pirâmide social e traçou um plano que executou até as últimas conseqüências.

O fazendeiro se endividou com bancos para construir a casa dos seus sonhos, sede da fazenda. Seu palacete teria de ser o mais suntuoso da região e decorado com o que havia de mais fino na Europa.

Em 1904, Cândido Souza Campos adquiriu a propriedade, incluindo o mobiliário da sede. O terreiro, a tulha, o aqueduto que movia a roda d’água, a senzala, a casa do capitão do mato e a capelinha registram a história dos escravos e dos imigrantes.

O museu catalogado com objetos e documentos do século XIX e início do século XX e a estação de trem Monjolinho marcam como o ciclo cafeeiro fez riqueza no Brasil.

Remanescente da antiga e extinta fazenda Niágara, o Vale do Quilombo foi uma das importantes fazendas produtoras de café da região de São Carlos, localizado a 25 quilômetros do centro da cidade, a fazenda foi explorada por escravos, e hoje cultiva lendas da época que antes dos negros, povos indígenas chegaram a morar na propriedade.

O Vale do Quilombo é uma região imperial que guarda os traços da história e é cortado pelo rio Quilombo, nome dado pela presença de um quilombo na região no século XIX. A fazenda que era grande produtora de café, hoje está voltada à produção da cana-de-açúcar, avicultura e bovinocultura de corte, além do tradicional gado leiteiro com total infra-estrutura.

Cenário de novela da Globo

A fazenda São Joaquim teve seu auge no período de produção cafeeira e era pertencente ao ramo familiar dos Arruda Botelho.

Não se pode esquecer que a fazenda São Joaquim, com sua bonita sede, foi um dos cenários da novela “Esperança”, da Rede Globo e hoje, além do agro-negócio, a fazenda abre suas porteiras ao turismo esportivo da pesca, com um muito bem montado pesque-pague.

Para Francisco de Sá, funcionário responsável pela fazenda do Pinhal, há anos, além da importância cultural e histórica das fazendas da região, entre as propostas estão o contato direto com o patrimônio cultural existente no município. "São Carlos é uma cidade que preserva sua memória", ressalta ele.

Com exceção das fazendas São Joaquim e Santa Maria, as fazendas históricas de São Carlos, funcionam hoje como hotéis fazenda de luxo e possuem excelentes infra-estruturas, focadas em participar do turismo da região.

As casas das fazendas foram transformadas em chalés e apartamentos e oferecem acomodações nas sedes coloniais.

Na fazenda Pinhal o salão pode ser utilizado para qualquer tipo de eventos culturais ou sociais, de shows a convenções e casamentos.

Já a turismóloga Bruna Liliane, que atua no campo do turismo há mais de seis anos, considera de suma importância a existência das fazendas na região, pois valorizam a memória cultural e destacam o ciclo do café, além de fortalecer o turismo na cidade.

Quem se hospeda em uma das fazendas, pode percorrer trilha em mata nativa, optar por passeios a cavalo, charrete e bicicletas ou praticar atividades como o bóia-cross, cannyoning, caiaque e rafting, entre outras práticas do ecoturismo.

Interessados também podem optar por passar o dia na propriedade ou se hospedar em finais de semana, feriados ou temporadas de férias, podendo explorar outras atrações turísticas, como somente visitas monitoradas às fazendas históricas e aos espaços arquitetônicos e culturais.

Lidiane Valeriano que já visitou todas as fazendas da região de São Carlos, revela que quem conhece uma fazenda histórica, tem que conhecer todas as outras. "É mesmo um ciclo da história regional, que você vai entendendo conforme vai conhecendo cada lugar. É maravilhosa a experiência de passar ao menos um dia nestes lugares, nos faz refletir na história e na vivência de nossos antepassados", conta ela.

Diárias

Todas as diárias em cada uma das fazendas são de regime de pensão completa e não saem por menos de R$ 350,00. Mais informações poder ser obtidas pelos sites e telefones: Fazenda Pinhal – Fone: (16)3375-7142/3376-5476/9782-7651 ou pelo site www.fazendapinhal.com.br; Fazenda Santa Maria – Fone: (16) 3366-7141/9782-6172 ou pelo site www.santamariamonjolinho.com.br ; Fazenda Vale do Quilombo – Fone:(16)3376-5371 ou pelo site www.valedoquilombo.com.br Sítio São Joaquim - Fone: (16) 3372-3039 / 9114-7523 / 9782-2030.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/

Saiba o que fazemos com os dados pessoais que coletamos e como protegemos suas informações. Utilizamos cookies essenciais e analíticos de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

ENTENDI