Ageuniara

Lei Federal obriga hospitais a terem brinquedotecas

Por: HELIENE GEORGIA FIGUEIREDO

10/11/2005

A lei Federal nº 11.104, sancionada em 21 de março de 2005, determina que todos os hospitais que oferecem internação pediátrica devem ter suas brinquedotecas. A lei estabelecia prazo de seis meses para que os hospitais se adaptassem. Em Araraquara a brinquedoteca da Santa Casa de Misericórdia foi pioneira, criada em 1999 pela brinquedista Geanny Guerra.

As brinquedotecas têm como função distrair, estimular e aliviar um pouco o peso da doença da criança através de brincadeiras como danças, teatros, leituras, jogos, brinquedos e, mais que isso, muito carinho e alegria dos funcionários para com as crianças. Devem ainda promover a interação das crianças, suas mães e os funcionários em geral.

No Brasil, a primeira brinquedoteca foi montada na APAE - Associação de Pais e Amigos de Excepcionais, em 1971, no setor de recursos Pedagógicos da instituição. Os colaboradores das brinquedotecas têm como função estimular as crianças a brincar. Os brinquedistas devem trabalhar paralelamente com a equipe médica, pois o trabalho desenvolvido é em equipe e depende de todas as pessoas envolvidas no tratamento da criança.

Segundo a coordenadora da brinquedoteca da Santa Casa de Misericórdia de Araraquara, Geanny Guerra, o fato de agora os hospitais serem obrigados a ter uma brinquedoteca é muito bom. Porém, não basta apenas a brinquedoteca para cumprir a lei, sem ter os devidos cuidados e principalmente o carinho com as crianças, pois é esse carinho e atenção que promove o sucesso das brinquedotecas, diminuindo o estresse e o trauma trazido pela internação.

“Eu que estou há 14 anos atuando com brinquedotecas, fiz curso no Rio Grande do Sul de brinquedista e atuei, implantei a primeira brinquedoteca hospitalar em Araraquara e ainda atuo como brinquedista. Tenho muito prazer em dizer que tudo vale a pena quando você vê uma criança que estava triste com medo, sorrindo e brincando com as outras”, diz Geanny Guerra. Ela ainda ressalta a importância de se ter atenção também com a mãe, pai ou acompanhante da criança, pois eles sofrem com a doença dos filhos e necessitam de distração e alegria para tentarem diminuir a angustia.

Para a mãe de Camile, de 3 anos que esteve internada na Santa Casa por duas semanas, a brinquedoteca é alegria para as crianças e para os pais. “Quando Camile foi internada eu fiquei quase louca de preocupação, ela só chorava; depois que os brinquedistas visitaram a gente, tornou-se uma alegria. Todos os dias ela queria ir para a brinquedoteca, nem se lembrava das dores, e isso para mim foi ótimo, pois é muito triste ver um filho doente”.

A criança pode freqüentar a brinquedoteca a partir do momento que queira. Normalmente elas são primeiro visitadas e nessa visita dos brinquedistas passam a saber que existe uma sala, onde podem brincar, ver televisão, jogar e interagir com outras crianças, com as mães dessas crianças e com os funcionários brinquedistas.

A aceitação em Araraquara é grande. Cita-se que até 99% das crianças internadas se animam a ir à brinquedoteca, mesmo as que estão com dor ou febre. Em casos onde as crianças não possam se locomover, é acionada a “Carroteca”, que seria a brinquedoteca móvel. É um carrinho cheio de brinquedos e vídeos que podem servir de diversão para a criança.

Os responsáveis pelas crianças são os pais, mas os brinquedistas também se encarregam de tomar conta dessas crianças. Todo o hospital que atenda pediatria será obrigado a ter uma brinquedoteca com objetivo social, terapêutico, ocupacional e de lazer. Os brinquedos da brinquedoteca da Santa Casa são, em sua grande maioria, doações feitas pelas pessoas ou adquiridos através de eventos e festas promovidas para arrecadação de verbas.

Em Araraquara encontra-se outro hospital com brinquedoteca, o Hospital São Paulo, também implantada antes da exigência legal. Coordenada por Lucy Alves Correia, há dois anos promove atividades lúdicas para as crianças internados no Hospital.

A brinquedoteca do Hospital São Paulo recebe ajuda de custo da Unimed e parte dos brinquedos foi comprada pelo próprio hospital. Porém, enfatiza a criatividade da criança, trabalhando também com sucata para exercitar a percepção da criança. As crianças, são separadas por patologia, para evitar qualquer problema. Os brinquedistas desenvolvem campanhas de prevenção, como de higiene bucal.

A Suécia foi o primeiro país a ter a idéia de colocar brinquedos dentro de um hospital, em 1963. A deputada federal Luiza Erundina (PSB-SP), autora da lei, acredita que os hospitais públicos não terão dificuldade para constituírem uma brinquedoteca, pois poderão utilizar parte do orçamento do Ministério da Saúde que é repassado aos Estados e aos municípios. A lei prevê penas de advertência, interdição, cancelamento da licença ou multa para os hospitais que não se adaptarem à nova norma. As brinquedotecas já contam com a associação brasileira de brinquedotecas e até associações internacionais de brinquedistas.

Segundo a presidente da Associação de Brinquedotecas, Nylse Helena da Silva Cunha, a brinquedoteca é um espaço preparado para estimular a criança a brincar, possibilitando o acesso a uma grande variedade de brinquedos, dentro de um ambiente especialmente lúdico. É um lugar onde tudo convida a explorar, a sentir, a experimentar.

Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/