202101222224

mostrar mensagem ]

Comunicados Oficiais - UNIARA (COVID-19)

Em virtude da pandemia global de COVID-19, as atividades da Universidade de Araraquara - Uniara sofreram alterações.

Clique aqui e confira todos os comunicados oficiais da Instituição.

ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Psicóloga diz que carência amorosa pode levar à traição

Por: KELLY LEONORA PIOTTO

27/11/2004

Lidar com a traição é uma tarefa mais que difícil, além de doer muito, ela também nos obriga a tomar decisões importantes.

A traição é uma das principais causas do fim dos relacionamentos e um dos maiores dramas sentimentais da humanidade. Homens e mulheres traem por motivos diferentes, mas ninguém está livre do risco de cometer erros ao longo da vida.

"Carência, insatisfação em relação aos desejos e expectativas com o parceiro e vingança em busca de novidades, estimulam a sensação de perigo ou mesmo de poder", explica a psicóloga Marta Terezani. "A falta de diálogo entre o casal é outro motivo relevante", acrescenta.

Segundo ela, essa falta de comunicação entre eles é transferida para outra pessoa e opta-se, neste caso, por uma saída aparentemente mais fácil e por vários motivos é excluída a possibilidade de aceitar o outro como ele é, ao invés de tentar crescer com seu parceiro algumas pessoas passam a acreditar que só terão alegrias, emoções e crescimento fora do casamento.

"Relações monótonas que caem na rotina também são breves convites ao adultério, em situações como essa as pessoas costumam se acomodar e esse conformismo leva insatisfação do homem ou da mulher", afirma a psicóloga.

Ressentidas e arrependidas do que nunca fizeram, está aí aberta uma nova porta que pode levar à traição, algum dia os mesmos podem ser levados a buscar em outra pessoa aquilo que ficou reprimido por muito tempo no relacionamento que está vivendo.

De acordo com a psicóloga, as mulheres estão traindo por estarem cansadas de se privar de seus desejos e fantasias mais reprimidas. "Os homens nunca se preocuparam com isso, eles sentem culpa por puro medo de perder a mulher ou mesmo o controle da situação", diz.

Para Marta, a idealização da mulher perfeita pelos homens e do homem que sempre as apoie e as ajude pelas mulheres que costumam confundir casamento com felicidade faz com que as pessoas reivindiquem muito umas das outras gerando muitas frustrações e infidelidades.

"Quando eu não dava muito valor a um relacionamento traia mais", afirmou o engenheiro Renato Moura que já não trai há muito tempo. "Com isso amadureci porque também fui traído e percebi que só traí para satisfazer o meu ego, a vontade de me sentir desejado", desabafou.

A traição pode ocorrer por uma forte atração física, ou seja, o homem precisa sentir que além da namorada, há outras mulheres atrás dele.

Marta lembra que, teoricamente, quem ama respeita e quem respeita não trai. "No entanto, há casos em que as traições são experiências fortuitas e ocasionais.O pior é quando a infidelidade se torna uma constante e serve como uma muleta para a manutenção de um relacionamento buscando lá fora a complementação do que não se tem dentro de casa", lembra ela.

Ele afirma que quando isso acontece é o momento de parar e refletir seriamente sobre o relacionamento. A psicóloga alerta: "É possível perdoar uma traição, dependendo da relação, da sua personalidade e do famoso diálogo", garante.

A dor de quem traiu vem desde o arrependimento, até a reação da pessoa quando fica sabendo. Muitos só contam quando o namoro acaba.

David Camargo é um exemplo, comenta que não ficou livre da angústia mesmo sabendo que já tinha terminado tudo. "Na verdade eu contei a ela depois de terminar o namoro. Foi uma situação muito constrangedora para mim e acredito que decepcionante pra ela, afinal de contas ela sempre confiou muito em mim", diz



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/

Saiba o que fazemos com os dados pessoais que coletamos e como protegemos suas informações. Utilizamos cookies essenciais e analíticos de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

ENTENDI