[ mostrar mensagem ]

COMUNICADO

Em vista das melhorias que estão sendo realizadas na portaria principal da Unidade I da Uniara, alunos, interessados e colaboradores devem utilizar a entrada localizada na Rua Voluntários da Pátria, 1309 (Rua 5).

Cordialmente,

Universidade de Araraquara - Uniara

[ ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Projeto quer melhorar segurança dos moradores de rua

Por: ANTONIO APARECIDO CORREA BUENO

17/09/2004

A prefeitura de Araraquara(SP) começa fazer um mapeamento dos moradores de rua da cidade, com o objetivo de criar políticas públicas para evitar a violencia contra eles.

A Secretaria de Assistência Social começou um trabalho de mapeamento dos moradores de rua que vivem em situações de risco.

O objetivo é saber quantos são, de onde vêm e o motivo que os levou a esta situação, para que assim possam ser desenvolvidas políticas públicas que amenizem o problema e evite casos como a série de assassinatos ocorridos na capital.

O primeiro passo dado pela Secretaria, foi um levantamento junto às entidades do município que atendem este público, como a "Casa Cairbar Schutel", Pronto Socorro Municipal, Centro de Reabilitação e "Casa Transitória", para saber quantos moradores são atendidos diariamente, depois será feito um trabalho mais refinado de pesquisa de campo pelas ruas da cidade.

De acordo com a secretária de assistência social, Maria Aparecida Nery, no ano passado em menos de 50 dias, quatro moradores de rua foram espancados e mortos na cidade.

Ela acredita que através da identificação dos andarilhos com nome, sobrenome e local de origem, é possível evitar que eles se tornem alvo da violência.

"Embora este seja um trabalho difícil, já que os moradores de rua falam pouco e quando se sentem pressionados desaparecem, é de fundamental importância para a criação de projetos sociais específicos para eles. Por isso é preciso ter muita paciência para alcançar algum resultado”, diz a secretária.

A coordenadora da "Casa Transitória", Leny Barbosa Porteiro, diz que durante os dias mais frios, deste inverno, a entidade acolhia em média 40 pessoas por dia, sendo que apenas 2% eram itinerantes, o restante eram moradores de rua.

Leny diz ainda que os andarilhos assassinados passaram pela entidade, mas que ela não têm como absorver toda a demanda por comida e abrigo.

Segundo o Delegado Jesus Nazaré Romão, responsável pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG), no caso específico de Araraquara , os motivos que determinaram a morte dos andarilhos, foram brigas entre eles.

"Num dos casos houve briga por pontos estratégicos de mendicância, um andarilho invadiu um determinado ponto que outro morador considerava dele, daí então partiram para a briga e o invasor foi morto a pauladas", diz o delegado.

Sobre o trabalho de mapeamento da Secretaria de Assistência Social, Romão diz que toda a informação que se tem dos moradores de rua é importante para se definir o motivo e a autoria dos crimes.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/