Ageuniara

Projeto "DDM nos bairros" tem resultados positivos

Por: MARIA LUIZA TREVISAN CESTARI

29/04/2004

A Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Araraquara (SP) realizou de 5 a 16 de abril, o projeto "DDM nos bairros" que teve como tema "Violência contra a mulher não tem graça nenhuma".

Idealizado pelo Delegado Seccional Valmir Granucci, o projeto contou com a participação das delegadas de Araraquara e região.

As ações foram realizadas nas cidades de Araraquara, Matão, Taquaritinga, Itápolis e Ibitinga. Em Araraquara, o evento foi coordenado pela delegada titular da DDM, Renata Maria Fleury Cusinato, e participaram entidades como a Comissão da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Faculdade de Farmácia da Unesp, Vigilância Sanitária, Secretaria Municipal de Saúde e Liga Araraquarense de Combate ao Câncer.

Foram visitados dez bairros da cidade e atendidas, aproximadamente 1.400 pessoas. O interesse da comunidade foi pela busca de informações sobre o funcionamento, atividades e localização da DDM.

Alguns boletins de ocorrência foram efetuados, além da procura por assistência jurídica e serviços de saúde através de exames preventivos e orientações.

Para Renata, a participação popular superou as expectativas e o projeto serviu para aproximação entre a comunidade e a DDM.

"Foi um trabalho gratificante", afirma a delegada, que pretende dar continuidade ao projeto futuramente.

A surpresa nas atividades ficou por conta da detecção de um caso de câncer de mama em uma mulher de 49 anos.

Segundo Maria Aparecida Cursi Curti, da Liga Araraquarense de Combate ao Câncer, este foi o único caso constatado nas 100 mulheres que procuraram pelo serviço de prevenção ao câncer.

"A paciente foi encaminhada para tratamento, terá o tumor retirado e perderá um quarto do seio afetado. Depois da cirurgia o tratamento continuará com a quimioterapia ou radioterapia", finaliza Maria.

Além do caso de detecção do câncer, Renata também ficou surpresa ao ser procurada por uma adolescente que registrou boletim de ocorrência contra a própria família.

"A proximidade da delegacia com a comunidade permitiu que a adolescente procurasse por ajuda, o que talvez não tivesse ocorrido se a jovem tivesse que vir até a delegacia", afirma.

Os números da violência contra mulher em Araraquara estão estabilizados, conforme informação da delegada. O processo de conscientização das mulheres leva a um número maior de denúncias, o que não significa que a violência na cidade tenha aumentado.

"É importante que as pessoas percebam que a polícia precisa delas, que deva existir uma integração entre polícia e comunidade", conclui Renata que acredita que atividades como o projeto "DDM nos bairros" tenham esta finalidade.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/