[ mostrar mensagem ]

COMUNICADO

A Rádio Uniara FM 100,1 está temporariamente fora do ar para ajustes técnicos.

Em breve, toda a programação da rádio estará normalizada. Agradecemos a compreensão de todos os nossos ouvintes

Cordialmente,

Universidade de Araraquara - Uniara

[ ocultar ]

UNIARA

Ageuniara

Pesquisadores estudam eficiência dos postes de madeira

Por: CLAUDIA DE CASSIA BARBOSA

01/04/2004

A Universidade Federal de São Carlos ( UFSCar), desenvolve uma pesquisa, com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) e da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), onde prova cientificamente a eficiência dos postes de madeira.

No projeto são desenvolvidas as etapas que vão do tratamento da madeira utilizada, que no caso é retirada de plantações de eucaliptos, até a implantação dos postes nas zonas rurais e urbanas.

O poste de madeira pode durar até quarenta anos, enquanto o de concreto apresenta problemas a partir dos trinta e cinco anos.

Segundo o professor da UFSCar, Almir Sales, os postes de madeira são quatro vezes mais baratos do que os de concreto.

"Para transformar os eucaliptos em poste a quantidade de energia gasta é duzentas vezes menor que a usada no poste de concreto", afirma o professor.

O gerente de contas da CPFL ( Companhia Paulista de Força e Luz ) de São Carlos (SP), Mauro Forgerini, diz que pelo fato dos postes de madeira apodrecerem e racharem a concessionária acabou optando pelo concreto.

O gerente de contas da CPFL diz ainda que há uma rejeição por parte da população e até dos clientes em relação ao poste de madeira.

De acordo com os pesquisadores é aí que entra o trabalho deles através do rigoroso processo de tratamento da madeira.

Depois de cortada ela deve secar ao ar livre por pelo menos 60 dias até reduzir a umidade a trinta por cento, depois a madeira passa por um processo onde é feita a aplicação de cromo, cobre e arsênio, metais que evitam o ataque de fungos e insetos.

"O que se busca na verdade não é lucro e sim a eficientização da distribuição de energia elétrica, principalmente pelas comunidades carentes", diz Sales.

Cerca de R$ 400 mil reais foram aplicados na pesquisa e quando os estudos terminarem, em julho deste ano, a tecnologia já estará à disposição da Agência Nacional de Energia Elétrica.

"Para que esse projeto seja implantado é preciso divulgação e conscientização da população diante das vantagens e cuidados à serem tomados", finaliza Sales.



Destaques:

Reportagens recentes:

Todas as reportagens

Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /ageuniara/