Eventos

III Reunião sobre Argilas Aplicadas

III Reunião sobre Argilas Aplicadas

III Reunião sobre Argilas Aplicadas

O Instituto de Química da USP abrigará a terceira edição da Reunião sobre Argilas Aplicadas (III RAA) nos dias 7 e 8 de julho de 2017. O encontro trata de argilominerais, hidróxidos duplos lamelares e materiais análogos, quimicamente modificados ou sintéticos, com foco em suas propriedades e aplicações. A RAA contará com palestras ministradas por pesquisadores convidados atuantes na área e receberá contribuições para apresentação de trabalhos na forma de painéis.

A inspiração para a organização da RAA surgiu durante a realização do simpósio intitulado "Multifunctional materials derived from clay minerals", realizado durante o XIII Encontro da SBPMat realizado em João Pessoa (PB), em setembro de 2014 (sob a coordenação da Profa. Dra. Maria Gardênnia da Fonseca).

Motivados pela repercussão do evento na comunidade nacional e pelas discussões frutíferas sobre o tema, os participantes se dispuseram a se reunir anualmente. Assim, a I RAA ocorreu em Natal, nas dependências da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (coordenada pela Profa. Dra. Sibele Pergher), em abril de 2015; e a II RAA aconteceu no Rio de Janeiro (RJ), nas dependências do Centro de Tecnologia Mineral (CETEM), em março de 2016 (com coordenação do Dr. Luiz Carlos Bertolino).

Palestras

Argilas Brasileiras: Ocorrências e Aplicações

O Brasil é um país que, por suas dimensões continentais e por sua localização geográfica que se estende desde o Equador até o Trópico de Capricórnio, possui uma grande variedade de argilas em seu território, muitas delas em depósitos com características que permitem sua classificação com argilas industriais. A palestra procurará apresentar brevemente a diversidade das argilas existentes no Brasil, dando exemplos de suas aplicações industriais.

Palestrante: Prof. Dr. Antônio Carlos Vieira Coelho
Universidade de São Paulo, Escola Politécnica - Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais, São Paulo/SP


New Insights in the Mechanism of LDH Formation - Coprecipitation versus Urea Method

Claude Foranoa, Suraj Shiv Charan Pushparajb, Nicholai Daugaard Jensenb, Line Boisen Staalb, Dorthe B. Ravnsbækb, Vanessa Prevota, Ulla Gro Nielsenb

aUniversité Clermont Auvergne, CNRS, Institut de Chimie de Clermont-Ferrand, F-63000 Clermont-Ferrand, France
bDepartment of Physics, Chemistry and Pharmacy, University of Southern Denmark, Campusvej 55,5230 Odense M, Denmark

The growing demand for advanced functional nanomaterials based on Layered Double Hydroxides (LDHs) has made the scientific community and their industrial partners aware of the essential role that synthesis processes have on the final product. Indeed, the choice of synthesis method strongly affects the chemical composition as well as the structural and textural properties and thereby has a large impact on the targeted physical and chemical properties of the desired materials.

Synthetic processes under soft chemistry conditions, such as sol-gel processes, aqueous precipitation, ultrasound and microwave-activated synthesis, surface functionalization, and self-assembling, have been used extensively to design LDH nanomaterials. However, the operating conditions of such soft chemistry processes may lead to the formation of local domains with different chemical composition and structure, amorphous impurities and even secondary phases. As LDHs often display low crystallinity and contain microstructural defects such as stacking faults, mixed polytypes, such domains or secondary phases may strongly affect the properties of the materials.

While, it is very difficult to obtain information about the local structure using only X-ray or neutron diffraction as well as conventional bulk techniques such as electron microscopy, combining these techniques with probes of the local environments such as XAFS and solid state NMR (SSNMR) allow unambiguous identification of cation ordering in the LDH cation layer.

XRD, Raman spectroscopy and SSNMR have been applied for the analysis of the bulk and local environment to better understand the mechanism of formation of a series of Layered Doubles Hydroxides and the impact of the method of synthesis on the cation ordering. Discussion will compared results obtained by this multi-technique approach for both coprecipitation and urea method.

Palestrante: Prof. Dr. Claude Forano
Université Blaise Pascal - CNRS, Institut de Chimie de Clermont-Ferrand, França


Raman Spectroscopy of Intercalated Species: from Cultural Heritage to Prebiotic Chemistry

Microenvironment plays a very important role on the reactivity of molecules, a fact that is explored in scientific and technological investigations. Lamellar compounds are among the most investigated systems and Raman spectroscopy is one of the preferred tools in the investigation of intercalated molecules, because of its selectivity and immunity to the matrix interference. In this presentation, results from resonance Raman investigations of intercalated chromophores and molecules relevant to the prebiotic context will be presented, and the effect of the confined environment will be discussed.

Palestrante: Profa. Dra. Dalva Lúcia Araújo de Faria
Universidade de São Paulo, Instituto de Química, São Paulo/SP


Diferentes Estratégias para a Síntese de Materiais Híbridos Orgânico-Inorgânico Baseados em Argilas e suas Aplicações

As propriedades funcionais dos materiais híbridos obtidos pelos processos de funcionalização de argilominerais lamelares e/ou fibrosos despertam o interesse de diversas áreas tais como catálise heterogênea, adsorção, sensores, carreadores de fármacos, dentre inúmeras outras. O número de aplicações está associado a inserção de substâncias orgânicas e/ou inorgânicas nos espaços interlamelares das argilas que pode em alguns casos resultar na formação de híbridos orgânico-inorgânicos com propriedades específicas, que são dependentes das espécies orgânica e inorgânica compatibilizadas. Neste sentido, o estudo da funcionalização de argilas lamelares e/ou fibrosas é de extrema importância, pois esta gama de materiais ainda não foi amplamente explorada para a formação de materiais híbridos. Neste contexto, diferentes rotas sintéticas podem ser empregadas para a síntese de materiais híbridos orgânico-inorgânicos, tais como: síntese direta, método do deslocamento (no caso de argilas com eleva força de coesão entre os espaços interlamelares como a caulinita), rotas aquosa e/ou com solventes, troca iônica com espécies catiônicas ou aniônicas dentre inúmeras outras. Todas estas possibilidades de rotas para a imobilização da espécie orgânica, resultam em materiais com propriedades bastante distintas. Desta forma, a apresentação abordará a influência de cada uma das rotas sintéticas para a modificação de argilas e algumas aplicações na área de catálise, adsorção, luminescência, compósitos e para a liberação controlada de fármacos.

Palestrante: Prof. Dr. Emerson Henrique de Faria
Universidade de Franca, Franca/SP


Parte A: Characterization of South American Bentonites Searching for Correlations between Structural Features and High Added Value Industrial Applications. Parte B: My Experience at the International Master in Advanced Clay Science (Erasmus Mundus Masters Courses)

Gabriel G. Machado, Francisco Valenzuela Diaz, Henrique Kahn, University of São Paulo, Escola Politécnica. São Paulo - 05508-030, Brazil

Bentonite mining, blending and first stages of raw processing are usually planned based on physical properties and smectite content of the bulk material, in order to appoint a proper market destination. What if there was a structural feature from smectitic phases that could stablish feasibility for advanced and high added-value applications, right from the beginning? Moreover, if a rational spatial distribution can be stablished with simple characterization methods base on XRD and crystal chemistry; then is possible to develop a mine planning methodology that could incorporate another innovative key parameter. Most readers would agree on the fact that layer charge is the most determinant property from Smectitic phases present in Bentonite deposits, to comprehend the overall interaction behavior for scientific and Industrial uses. The present study addresses all these variables but essentially the last one mentioned by trying to establish layer charge spatial distribution in a diagenetic bentonite deposit from the earlier to mid Permian rarely well preserved. To test practical implications of observed trends, a second stage of the project studies the organophilicity of pure Mg2+ rich Montmorillonite with mainly Ca2+ in exchangeable position present in samples as a function of their layer charge and spatial location. This first stage constitutes a previous step to the ongoing research project but sets the framework in which we now account for more than 20 samples from Brazil, Argentina and Uruguay characterized under the same protocol. Several typical industry-processing techniques are being conducted such as acid activation, Clay polymer nanocomposites, organophilization without previous Na activation. From X-Ray diffraction (XRD) of randomly oriented powder and X-Ray fluorescence (XRF) chemical analysis on bulk samples, we approach the issue of grade and mineral phase semiquantitative annalisys using Rietveld refinement on Topas software. The presence of accessory minerals that would have implications in organophilization at the <1 μm size fractions where observed at this stage; finding Kaolinite, Pyrophillite, Cristobalite, Hematite and I/S mixed layers as penalty accessory phases. Scanning electron microscopy (SEM/EDX), Thermogravimetric analysis (TGA), Size distribution analysis by Malvern and Fourier transform infrared spectrometry (FTIR), were also used as complementary methods when the error bar at the molar sum from XRF vs XRD was not acceptable. The structural formula, was estimated from the ><1 μm size fractions XRF chemical analysis on fused beads, in order to gather information regarding isomorphic substitutions in terms of location and magnitude of layer charge. Although, we found a clearer trend and easier to access, between layer charge as a function organo-sorption behaviour; by simply evaluating the 001 peak positions on oriented slides after first K saturation and ethylene glycol solvation, against Organoclays Oriented slides XRD traces, being inversely proportional. Over the >< 1μm size fraction and using a 16 carbon chain ammonium salt, we evaluate the organic sorption for all samples having as a result, a broad variety Organophilic XRD patterns showed distinctive expandability behaviour in terms of their 001 (C16H33CH3)-Montmorillonite d-spacing peak position, ranging from 15,2 Å to 21,68 Å. As a function of sorbed Organoclay according size of the alkyl chain used, and the known sorption isotherm, basically all patterns of organo-compound sorption where observed, going from Lateral Monolayer to Paraffin type bilayer.

Palestrante: Me. Gabriel Machado
Doutorando da Escola Politécnica da USP


Caracterização Robusta de Argilas pela Combinação de Resultados de Análise Térmica, Fluorescência e Difração de Raios X e Espectroscopia Vibracional

Um bom entendimento da estrutura e composição dos materiais é essencial para qualquer tipo de indústria que utilize uma vasta gama de matérias-primas em várias e distintas aplicações, como é o caso da indústria cerâmica. A complexidade da caracterização mineralógica das argilas, material de interesse deste trabalho, sugere o emprego de técnicas combinadas de análise. Assim, o objetivo deste trabalho consiste em combinar as técnicas de análise térmica, fluorescência de raios X, difração de raios X e espectroscopia vibracional (particularmente espectroscopia Raman) para a caracterização química e mineralógica de argilas. Neste trabalho, a composição química elementar foi obtida por meio da técnica de fluorescência de raios X. Embora seja possível utilizar os dados de composição química elementar para realizar uma análise normativa, e assim estimar os minerais presentes na amostra, a metodologia principal para a caracterização mineralógica que está sendo desenvolvida no presente trabalho consiste em aplicar-se conjuntamente as técnicas de difração de raios X, espectroscopia Raman e análise térmica. De fato, a complexa mistura de componentes dificulta a identificação de fases presentes em argilas apenas com base em resultados de difração de raios X. Desta forma, apresentaremos estudos de casos nos quais a identificação de fases é complementada com auxílio de espectroscopia Raman e análise multivariada. A verificação da identificação das fases e sua quantificação foi realizada por meio do refinamento Rietveld dos difratogramas. A quantificação absoluta de fases cristalinas por refinamento Rietveld implica na determinação do conteúdo amorfo da amostra, o que foi realizado por difração de raios X, utilizando-se a técnica do padrão interno. Além destas técnicas já consolidadas, será dada ênfase nesta apresentação às técnicas de análise térmica. Os resultados das análises de Rietveld serão comparados àqueles obtidos por análise térmica combinada de calorimetria exploratória diferencial e termogravimetria, acoplada à espectrometria de massas e de absorção no infravermelho para identificação dos gases emanados. Estas técnicas foram aplicadas, por exemplo, na determinação do teor da caulinita, cuja perda de massa na desidroxilação que dá origem à metacaulinita permite a sua quantificação em termos absolutos. Será mostrado, também, como é possível determinar a razão Fe3+/Fe2+ em amostras de argilas, a partir do ganho de massa quando esta é submetida a uma atmosfera oxidante em altas temperaturas.

Palestrante: Prof. Dr. Gustavo R. Ramos
Universidade de Caxias do Sul, Bom Princípio/RS


Palestra-aula

Espectroscopia de Absorção de Raios X no Estudo de Materiais Lamelares

A espectroscopia de absorção de raios X (XAS ou XAFS) é uma ferramenta analítica que permite sondar a vizinhança química de quase todos os elementos da tabela periódica. Diferentemente da difração de raios X, que se propõe a investigar a ordem de longo alcance, a XAS fornece informações sobre a estrutura local, tipicamente num raio de 6 até 10 Å de distância a partir do átomo de interesse. Os espectros de XAS podem ser divididos em duas regiões. A primeira delas corresponde a região próxima da borda de absorção (XANES), essa fornece informações sobre o estado que de oxidação do elemento de interesse, ângulos de ligação, simetria de coordenação, dentre outras. Já a segunda refere-se a estrutura fina estendida (EXAFS), que pode revelar a natureza átomos que rodeiam o elemento de interesse, bem como sua quantidade, distâncias e nível de desordem. Devido a algumas propriedades da luz síncrotron, atualmente a caracterização de amostras por XAS é realizada nas linhas de luz desses aceleradores de partículas, contudo ainda hoje existem equipamentos de bancada desenhados para laboratórios. Além da discussão dos princípios básicos da técnica e estratégias para realização de medidas, essa aula tem por objetivo explorar como essa ferramenta pode ser usada para avaliar a estrutura dos materiais. Serão abordados exemplos do uso da XAS na investigação da síntese de materiais lamelares, bem como sua decomposição, atividade catalítica e estabilização térmica de polímeros.

Palestrante: Prof. Dr. Hudson Wallace Pereira de Carvalho
Universidade de São Paulo, Centro de Energia Nuclear na Agricultura - CENA, Piracicaba/SP


Biocompatibilidade e Biointegração: Sabemos Avaliar?

O tema pretende discorrer sobre a resposta biológica e barreiras naturais a diferentes vias de administração de materiais inorgânicos, além de métodos de avaliação/monitoramento em experimentos in vivo.

Palestrante: Prof. Dr. Ivan Hong Jun Koh
Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina, São Paulo/SP


Hidróxidos Duplos Lamelares: Nanopartículas para Aplicação na Agricultura

O crescimento populacional que ocorrerá nos próximos anos exigirá o desenvolvimento de novas tecnologias e produtos que possam promover o aumento da produtividade agrícola. Neste sentido, estudos envolvendo a aplicação de nanopartículas na agricultura, têm apresentado um grande crescimento devido às propriedades singulares destes materiais. Entre as nanopartículas, os Hidróxidos Duplos Lamelares (HDLs) apresentam grandes possibilidades de uso na agricultura como matrizes hospedeiras para o armazenamento e a liberação sustentada de fertilizantes, herbicidas, reguladores de crescimento e também como adsorventes para a descontaminação do solo e água. Neste seminário, será abordado o uso de HDLs como nanopartículas de suporte com potencial aplicação na agricultura, com ênfase aos solos e nutrição de plantas. Serão exibidos os aspectos estruturais dos HDLs, suas principais propriedades, além dos principais métodos de síntese e de caracterização. Serão também reportadas as potenciais aplicações destes materiais no crescimento e desenvolvimento de plantas, como sistemas de liberação sustentada de agroquímicos. Além disso, também será abordado o emprego destes materiais em processos de adsorção para a descontaminação ambiental de solos e águas.

Palestrante: Prof. Dr. Jairo Tronto
Universidade Federal de Viçosa, Rio Paranaíba/MG


Uso de Nanopartículas de Argila para Síntese de Membranas Compostas para Tratamento de Água e Efluentes

A palestra irá abordar os efeitos da utilização de nanopartículas de argila na síntese de membranas compostas, destacando os efeitos da sua adição nas propriedades morfológicas das membranas produzidas e a comparação do seu desempenho com membranas comerciais. Também será abordada a síntese de polímeros condutivos à base de anilina sobre nanopartículas de argila e a sua utilização na preparação de membranas para processos de oxidação eletroquímica e filtração simultâneas.

Palestrante: Prof. Dr. José Carlos Mierzwa
Universidade de São Paulo, Escola Politécnica - Departamento de Engenharia Hidráulica, São Paulo/SP


Pirólise de Aerossol na Síntese de Materiais Lamelares: do Laboratório para a Indústria

A pirólise de aerossóis ou sprays permite a obtenção de materiais com dimensões nano à micrométricas apresentando grãos geralmente esféricos. Neste processo, cada gota do aerossol pode ser vista como um micro reator homogêneo com a mesma composição química da solução inicial. A morfologia das partículas é determinada pelo controle da composição de cada solução de partida. No processo de pirólise de spray, existem três etapas distintas: a geração de aerossol, a sua pirólise e a recuperação do material final. Esta metodologia proporciona a preparação de óxidos metálicos, cerâmicas, supercondutores e matrizes lamelares na forma de pós ou filmes, em escala de laboratório, bem como industrial. O controle da temperatura no processo de pirólise (de 400 a 1470 K) proporciona a obtenção rápida de diferentes fases para um mesmo precursor, e.g., lamelar boehmita (AlOOH) ou altamente porosa γ - Al2O3, numa única etapa. Em adição, como a velocidade de arraste dentro do sistema pode ser controlada (exemplo de fluxo utilizado na obtenção de boehmita 0,3 m3/h), esta metodologia permite controlar o tempo de residência dos precursores dentro da zona de pirólise.

Palestrante: Prof. Dr. José Maurício Almeida Caiut
Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Ribeirão Preto/SP


Palestra-aula

Difratometria de Raios X: Caracterização de Argilominerais

A Difratometria de Raios-X (DRX), Método do Pó, é a técnica instrumental fundamental da análise da estrutura cristalina dos materiais. Nesta palestra serão apresentados os seguintes tópicos: 1) Princípios desta técnica, visando a análise de estruturas lamelares, incluindo os conceitos e definições de argilas (clays) e argilominerais (clay minerals), seguindo as recomendações do comitê de nomenclatura da Clay Minerals Society e AIPEA. 2) As principais estruturas de filossilicatos (Serpentina-Caulim, Talco-Pirofilita, Micas, Esmectita-Vermiculita, Cloritas), ocorrência e formação nos ambientes geológicos, além de suas principais aplicações industriais. 3) Técnicas de preparação de amostras para análise por DRX ou outras técnicas instrumentais, com os seguintes exemplos: separação da fração argila, preparação de lâminas orientadas e desorientadas e diferentes tipos de tratamentos químicos. 4) Aplicação do Método de Rietveld, visando, principalmente, a possibilidade de quantificação dos argilominerais presentes em uma amostra natural.

Palestrante: Prof. Dr. Rômulo Angélica
Universidade Federal do Pará, Belém/PA


Recent Studies on Nanoparticles Synthesis and Polymer Nanocomposites

Nanoparticles are widely used because of their unique tunable properties and applications in automotive, electronic, textile, energy, aerospace and biomedical fields. The development and applications of nanoparticles derived from natural sources such as plant or animal are gaining more attention due to the high cost and environmental hazards of the petroleum and mineral derived products. This presentation covers the range of nanotechnology applications in polymer composite and biomedical fields. These include the synthesis and characterization of various types of natural and bio based nanomaterials obtained from renewable resources such as clays, eggshell and rice husk. The application of nanoparticles include in the presentation are: a) nanoparticles for polymer reinforcement to increase the thermal and mechanical properties of the polymer, b) application of nanoparticles for drug delivery systems to control the release of drug in the body to protect the drug from enzymatic or chemical degradation, c) nanoparticles for polymer scaffolds for bone regeneration applications.

Palestrante: Prof. Dr. Vijaya K. Rangari
Tuskegee University, Department of Materials Science and Engineering, EUA

Prazos

  • Data máxima para envio de trabalhos: 14 de maio de 2017
  • Envio de respostas sobre trabalhos submetidos para apresentação: 20 de maio de 2017
  • Data para inscrições: 25 de maio de 2017

Inscrições

Taxa de Inscrição

Categoria Até 25 de maio De 26 de maio a 25 de junho No local do evento
Alunos de graduação e pós-graduação R$ 40,00 R$ 60,00 R$ 80,00
Pesquisadores, professores e profissionais de empresas R$ 80,00 R$ 120,00 R$ 160,00

Cada inscrição dá direito a apresentação de um trabalho na forma de painel.

A Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE) emitirá um boleto para pagamento da inscrição, que será enviado para o endereço eletrônico informado no Formulário de Inscrição.

Formulário de Inscrição

Submissão de Resumos

Preencher o formulário de inscrição e enviar para o seguinte endereço eletrônico: iiiraargilas@gmail.com.


Informações

Para mais informações sobre inscrições, entre em contato pelo e-mail iiiraargilas@gmail.com.

Conteúdo Programático

Confira abaixo o cronograma das atividades previstas para a III Reunião de Argilas Aplicadas:

7 de julho (Sexta-feira)

08h00 - 09h00
Distribuição de material


09h00 - 09h15
Abertura


09h15 - 10h00
Palestra 1
Caracterização Robusta de Argilas pela Combinação de Resultados de Análise Térmica, Fluorescência e Difração de Raios X e Espectroscopia Vibracional
Prof. Dr. Gustavo R. Ramos (Universidade de Caxias do Sul, Bom Princípio/RS)


10h00 - 10h15
Intervalo


10h15 - 11h00
Palestra 2
Uso de Nanopartículas de Argila para Síntese de Membranas Compostas para Tratamento de Água e Efluentes
Prof. Dr. José Carlos Mierzwa (Universidade de São Paulo, Escola Politécnica - Departamento de Engenharia Hidráulica, São Paulo/SP)


11h00 - 11h45
Palestra 3
Biocompatibilidade e Biointegração: Sabemos Avaliar?
Prof. Dr. Ivan Hong Jun Koh (Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina, São Paulo/SP)


11h45 - 13h30
Almoço


13h30 - 15h00
Palestra 4
Fundamentos: Espectroscopia de Absorção de Raios X no Estudo de Materiais Lamelares
Prof. Dr. Hudson Wallace Pereira de Carvalho (Universidade de São Paulo, Centro de Energia Nuclear na Agricultura - CENA, Piracicaba/SP)


15h00 - 15h15
Intervalo


15h15 - 16h00
Palestra 5
Argilas Brasileiras: Ocorrências e Aplicações
Prof. Dr. Antônio Carlos Vieira Coelho (Universidade de São Paulo, Escola Politécnica - Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais, São Paulo/SP)


16h00 - 16h45
Palestra 6
Pirólise de Aerossol na Síntese de Materiais Lamelares: do Laboratório para a Indústria
Prof. Dr. José Maurício Almeida Caiut (Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Ribeirão Preto/SP)


17h00 - 19h00
Sessão de Painéis


19h00
Livre


19h30
Reunião Programação RAA 2018

8 de julho (Sábado)

09h00 - 09h45
Palestra 7
New Insights in the Mechanism of LDH Formation - Coprecipitation versus Urea Method
Prof. Dr. Claude Forano (Université Blaise Pascal - CNRS, Institut de Chimie de Clermont-Ferrand, França)


09h45 - 10h30
Palestra 8
Hidróxidos Duplos Lamelares: Nanopartículas para Aplicação na Agricultura
Prof. Dr. Jairo Tronto (Universidade Federal de Viçosa, Rio Paranaíba/MG)


10h30 - 10h45
Intervalo


10h45 - 11h30
Palestra 9
Recent Studies on Nanoparticles Synthesis and Polymer Nanocomposites
Prof. Dr. Vijaya K. Rangari (Tuskegee University, Department of Materials Science and Engineering, EUA)


11h30 - 12h15
Palestra 10
Diferentes Estratégias para a Síntese de Materiais Híbridos Orgânico-Inorgânico Baseados em Argilas e suas Aplicações
Prof. Dr. Emerson Henrique de Faria (Universidade de Franca, Franca/SP)


12h15 - 14h00
Almoço


14h00 - 15h30
Palestra 11
Fundamentos: Difratometria de Raios X: Caracterização de Argilominerais
Prof. Dr. Rômulo Angélica (Universidade Federal do Pará, Belém/PA)


15h30 - 16h15
Palestra 12
Raman Spectroscopy of Intercalated Species: from Cultural Heritage to Prebiotic Chemistry
Profa. Dra. Dalva Lúcia Araújo de Faria (Universidade de São Paulo, Instituto de Química, São Paulo/SP)


16h15 - 16h30
Intervalo


16h30 - 17h15
Palestra 13
Parte A: Characterization of South American Bentonites Searching for Correlations between Structural Features and High Added Value Industrial Applications. Parte B: My Experience at the International Master in Advanced Clay Science (Erasmus Mundus Masters Courses)
Me. Gabriel Machado (Doutorando da Escola Politécnica da USP)


17h15 - 17h30
Encerramento


19h00
Jantar Social (adesão)

*A programação está sujeita a alterações.

Realização

  • Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP)
  • Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia - Universidade de Araraquara (Uniara)

Comissão Organizadora

  • Profa. Dra. Vera R. Leopoldo Constantino - Instituto de Química - USP
  • Prof. Dr. Hernane Barud - Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia - Uniara
  • Prof. Dr. Francisco Valenzuela - Escola Politécnica - USP

Comissão Organizadora Local

  • Dra. Vanessa R. R. Cunha - Pós-doutoranda - IQ-USP
  • Dr. Rafael S. Macedo - Pós-doutorando - EP-USP
  • Vanessa Y. Sakai - Doutoranda - IQ-USP
  • Caroline S. Matos - Doutoranda - IQ-USP
  • Mariana P. Figueiredo - Doutoranda - IQ-USP
  • Vagner R. Magri - Doutorando - IQ-USP
  • Denise Eulálio - Mestranda - IQ-USP
  • Victor Vendruscolo - Graduando - IQ-USP
  • Camila Carli - Graduanda - FCF-USP

Comissão Técnica

  • Profa. Dra. Ana Paula M. Alves - UFRN
  • Prof. Dr. Edson Cavalcanti da Silva Filho - UFPI
  • Dr. Luiz Carlos Bertolino - CETEM/MCTI
  • Profa. Dra. Maria Gardênnia da Fonseca - UFPB
  • Prof. Dr. Rômulo Simões Angélica - UFPA
  • Profa. Dra. Sibele Pergher - UFRN

Informações Úteis

Tamanho do pôster

90 cm de largura e 100 cm de comprimento.


Hospedagem

Os alunos de graduação e pós-graduação que participarão da III Reunião de Argilas Aplicadas poderão se hospedar no alojamento do CEPEUSP (Centro de Práticas Esportivas da Universidade de São Paulo), que fica dentro da Cidade Universitária.

Os quartos são coletivos (com beliches), simples e rústicos. O custo é de R$ 37,00 a pernoite (não fornecem alimentação).

As reservas podem ser feitas diretamente com o CEPEUSP através do endereço eletrônico alojacepe@usp.br.


Alimentação

Sugestões de locais para refeições e lanches no Campus da USP-SP:

  1. Lanchonete Sweden (Prédio Queijinho - Instituto de Química)
    Avenida Professor Lineu Prestes, 748
  2. Lanchonete no Conjunto das Químicas
    Avenida Professor Lineu Prestes, 748 - Bloco 19
    (próximo ao Restaurante Universitário das Químicas)
  3. Restaurante da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH)
    Avenida Professor Luciano Gualberto, 315
    (por kilo)
  4. Lanchonete da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH)
    Avenida Professor Luciano Gualberto, 403
    (massas e salgados - atendem vegetarianos e veganos)
  5. Restaurante CEPAM/ETEC
    Avenida Professor Lineu Prestes, 913
    (por kilo)
  6. Restaurante Sweden (FEA - Faculdade de Economia e Administração)
    Avenida Professor Luciano Gualberto, 908
    (por kilo e self-service)

Como chegar na Cidade Universitária

Usando o transporte público, siga as instruções abaixo até desembarcar na estação de metrô BUTANTÃ - Linha 4 Amarela. No terminal BUTANTÃ, pegue o ônibus 8012 da SPTrans (Metrô Butantã - Cidade Universitária) ou um táxi. O endereço do Instituto de Química é: Avenida Professor Lineu Prestes, 748.

  • Vindo da Rodoviária Tietê: siga as placas dentro do Terminal Tietê em direção ao metrô. Compre o bilhete (R$ 3,80) e siga no sentido da estação JABAQUARA. Desça na estação LUZ e siga as placas que indicam a transferência para a LINHA 4 - AMARELA do metrô. Embarque no sentido da estação BUTANTÃ. Desça no terminal BUTANTÃ;
  • Vindo da Rodoviária Barra Funda: siga as placas dentro do Terminal Barra Funda em direção ao metrô. Compre o bilhete (R$ 3,80) e siga no sentido da estação CORINTHIANS-ITAQUERA. Desça na estação REPÚBLICA e siga as placas que indicam a transferência para a LINHA 4 - AMARELA do metrô. Embarque no sentido da estação BUTANTÃ. Desça no terminal BUTANTÃ;
  • Vindo do Aeroporto de Congonhas: no piso inferior do aeroporto, pegue o ônibus 609J-10 da SPTrans (Aeroporto - Metrô São Judas). Chegando na estação São Judas, compre o bilhete (R$ 3,80) e embarque no sentido Tucuruvi. Desça na estação LUZ e siga as placas que indicam a transferência para a LINHA 4 - AMARELA do metrô. Embarque no sentido da estação BUTANTÃ. Desça no terminal BUTANTÃ;
  • Vindo do Aeroporto de Guarulhos (opção 1): pegue o ônibus que vai para a estação de metrô TIETÊ, a mais próxima do aeroporto. Chegando na estação de metrô TIETÊ, compre o bilhete (R$ 3,80) e siga no sentido da estação JABAQUARA. Desça na estação LUZ e siga as placas que indicam a transferência para a LINHA 4 - AMARELA do metrô. Embarque no sentido da estação BUTANTÃ. Desça no terminal BUTANTÃ;
  • Vindo do Aeroporto de Guarulhos (opção 2): pegue o Airport Bus Service (R$ 48,80) e vá até uma estação de metrô. A melhor opção é a estação de metrô Tietê. Compre o bilhete nos guichês na parte externa do aeroporto. Chegando na estação de metrô TIETÊ, compre o bilhete (R$ 3,80) e siga no sentido da estação JABAQUARA. Desça na estação LUZ e siga as placas que indicam a transferência para a LINHA 4 - AMARELA do metrô. Embarque no sentido da estação BUTANTÃ. Desça no terminal BUTANTÃ.
Ônibus Urbano

Linhas municipais SPTrans que circulam pela Cidade Universitária:

  • 177H-10: Metrô Santana - Butantã USP;
  • 701U-10: Metrô Santana - Butantã USP;
  • 702U-10: Terminal Parque D. Pedro II - Butantã USP;
  • 7181-10: Terminal Princesa Isabel - Cidade Universitária;
  • 7411-10: Praça da Sé - Cidade Universitária;
  • 7725-10: Terminal Lapa - Rio Pequeno;
  • 7725-10: Metrô Vila Madalena - Rio Pequeno;
  • 8012-10: Metrô Butantã - Cidade Universitária;
  • 8022-10: Metrô Butantã - Cidade Universitária;
  • 809U-10: Metrô Barra Funda - Cidade Universitária.

Linha intermunicipal que circula pela Cidade Universitária:

  • 280BI 1: São Bernardo do Campo - Cidade Universitária.
Sistema de Transporte Coletivo dentro do Campus

Transporte gratuito, ofertado a todos os frequentadores em intervalos regulares, de segunda a sexta-feira, das 6h10 às 23h55 e, aos sábados e domingos, das 6h20 às 22h40.

  • Trajeto do Circular 1: Portaria 3 (ponto inicial) - Biociências - Filosofia - FAU - IAG - Poli - Praça do Relógio - CRUSP - Acesso de Pedestres CPTM - Educação Física - Educação - Reitoria - Biblioteca Brasiliana - Bancos - FEA - Biênio - Prefeitura - MAE - HU - Biomédicas III - Odontologia - Portaria 3 (ponto final);
  • Trajeto do Circular 2: Portaria 3 (ponto inicial) - Biomédicas IV - IPEN - COPESP - Prefeitura - Física - Oceanográfico - Biociências - CEPAM - Instituto Butantã - Casa da Cultura Japonesa - Portaria 1 - Acesso de Pedestres CPTM - Raia Olímpica - Psicologia - Portaria 2 - Terminal de Ônibus Urbanos - IPT - FAU - Geociências - Letras - História e Geografia - Farmácia e Química - Biblioteca e Farmácia e Química - Rua do Lago - Biomédicas - Portaria 3 (ponto final).
Pontos de Táxi

A Cidade Universitária conta com três pontos de táxi:

As frotas operam de segunda a sexta-feira, das 7h às 23h, e aos sábados, das 7 às 17h.


Como se locomover na Cidade Universitária (USP - Campus São Paulo)

Clique no botão abaixo para acessar o mapa da USP.

Mapa - USP


Apoio:

Apoio
Reproduzir o conteúdo do site da Uniara é permitido, contanto que seja citada a fonte. Se você tiver problemas para visualizar ou encontrar informações, entre em contato conosco.
Uniara - Universidade de Araraquara / Rua Carlos Gomes, 1338, Centro / Araraquara-SP / CEP 14801-340 / 16 3301.7100 (Geral) / 0800 55 65 88 (Vestibular)
N /eventos/iiiraa/